Mostrando 33 resultados

descrição arquivística
Dossiê Imagem
Opções de pesquisa avançada
Visualização de impressão Ver:

33 resultados com objetos digitais Mostrar resultados com objetos digitais

The Last Explorers

Material bruto telecinado a partir de negativos 16mm relativo às filmagens realizadas por Adrian Cowell nos dois anos que morou no Parque Indígena do Xingu a convite dos irmãos Claudio e Orlando Villas Boas. Adrian foi convidado para filmar o contato com o grupo indígena isolado Panará, conhecidos naquela época como os Kreen Akarore. O contato não se deu nestes dois anos, mas três meses depois. No entanto Adrian Cowell realizou o renomado filme A Tribo que se Esconde do Homem (The Tribe that Hides from Man) e O Reinado na Floresta (The Kingdom in the Jungle).

Imagens de caçadas, dos Txucarramãe correndo na mata, cercando e matando animais; dia a dia no Parque do Xingu, a convivência de Claudio e Orlando Villas Boas com indígenas de diferentes grupos; filmagens aéreas; encenações e diversas tomadas de cenas que integram o filme A Tribo que se Esconde do Homem, como por exemplo, encenação dos índios Txukahamãe do ataque à aldeia Panará e imagens da queimada de uma maloca; Adrian Cowell e Claudio Villas Boas no interior de avião sobrevoando a floresta a procura de evidência de roças dos índios isolados Panará; fogos de artifício à noite; danças e rituais indígenas, pajelanças; tartarugas, jacarés, lontras nadando no rio; Cláudio e Orlando Villas Boas distribuindo roupas na aldeia Juruna; na aldeia Kararaô, indígenas doentes sendo medicados; sertanista Francisco Meirelles; dia a dia de Claudio Villas Bôas.

O Coração da Floresta ( The Heart of the Forest)

O primeiro filme da série apresenta o trabalho dos irmãos Villas Bôas no início do Parque Indígena do Xingu. Os sertanistas buscam atrair povos indígenas para o interior do Parque com o objetivo de proteger sua cultura e os próprios indígenas das ameaças causadas pelo avanço da nossa civilização. Os povos do Xingu fugiram para esta região vindos de todos os quadrantes da América do Sul. Ali se refugiam dos brancos. Esse filme revela a importância que têm a terra e os rituais para a sobrevivência destes povos que se sentem ameaçados porque suas terras estão sendo compradas por especuladores. Para os índios a terra é amiga, personalizada em seres míticos e espíritos que são os donos das dádivas da vida: seja para a mandioca ou para a cobertura da casa, o índio depende da natureza e espiritualmente se prende a rituais. Ninguém pode ver onde os espíritos vivem, mas todo índio sabe que estão embaixo d’água, dançando. Os rituais são o fundamento da vida indígena.

Ficha Técnica
Câmera: Louis Wolfers
Filmagem adicional: Jesco von Puttkamer
Som: Robert Saunders
Edição: Larry Toft
Produção: Harry Hastings
Série: Adventure
Realização: David Attenborough
BBC TV

Romeiros

Filme realizado em 1963 nos sertões do Nordeste. Os romeiros são, em geral, vaqueiros e sua religiosidade é influenciada pela violência da luta pela terra. Cruzam quilômetros sem fim na caatinga castigada pelo sol, numa tradição mantida por milhares de devotos que se reúnem todos os anos nos locais de romarias. No final do século XIX em Canudos, uma multidão liderada por Antonio Conselheiro derrotou três expedições do exército. A munição ainda está espalhada no chão. Uma velha senhora que escapou alguns dias antes do massacre final relata o que viu. Em Juazeiro encontramos esta mesma devoção que reflete a dura vida do sertão. Herdeiro de Padre Cícero, o beato José de Moura exerce forte influência política junto aos devotos. A aprovação de um político por José de Moura – como Padre Cícero no passado - é vital para sua eleição.

Os Filhos de Santo

Os rituais da umbanda eram os cultos que mais cresciam no Brasil na década de 1960. O filme se concentra em terreiros de umbanda nos subúrbios e favelas de Recife, onde os escravos libertos, sobretudo dos canaviais, se tornaram donos de tendas. Vemos nos rituais as oferendas e os sacrifícios para os deuses e deusas africanos que no Brasil são também reverenciados como santos cristãos: Ogum como São Jorge e Iemanjá como Maria, mãe de Cristo. O filme aborda a vida dos médiuns, sua formação como Pais de Santo e a legalização dos terreiros de umbanda. Na vida da cidade, a influência do ritmo africano na musicalidade brasileira esta presente nas festas populares.

O Destino do Coronel Fawcett

Em 29 de maio de 1925, o coronel Percy Fawcett entrou na selva amazônica e desapareceu misteriosamente. O objetivo da sua viagem era achar, escondida na floresta, a cidade fundada pelos refugiados da antiga Atlântida. Neste filme, o diretor Adrian Cowell é repórter numa viagem investigativa. Partindo de Cuiabá, visita os locais onde possivelmente Fawcett teria passado. No Brasil, entrevista personagens que tiveram contato com o explorador inglês e sua equipe. Entrevista também intelectuais brasileiros que têm conhecimento das inúmeras e frustradas expedições de resgate em busca de vestígios que trouxessem alguma verdade sobre o desaparecimento do coronel. O filme foi rodado em 1960, e nos 50 anos seguintes, as áreas ao redor do local onde Fawcett e sua equipe desapareceram foi desmatada e atravessada por estradas. Não surgiu evidência nova para esclarecer o mistério.

A Tribo que se Esconde do Homem

Realizado na década de 1960, este documentário mostra o esforço dos irmãos Villas Bôas com a ajuda de índios de diferentes etnias, para contatar os índios isolados Panará, conhecidos como Kreen-Akarore. A abertura de uma estrada, perto do território Kreen-Akarore, ameaça sua sobrevivência. Na opinião dos sertanistas, a melhor opção para estes índios é levá-los para o Parque do Xingu antes que a estrada chegue, trazendo todos os males da nossa civilização.

Ficha Técnica

Direção: Adrian Cowell
Produção: ATV
Co-produção: Cláudio e Orlando Villas Boas
Câmeras: Chris Menges / Jesco von Puttkamer / Richard Stanley / Charles Stewart/ Ernest Vincze
Som: Gareth Haywood / Bruce White / Mike Billing
Edição: Adrian Cowell / Keith Miller
Produtor Associado: ATV
Editor de Fotografia: Adrian Cowell
Distribuição no Brasil: Pontifícia Universidade Católica de Goiás/ Família Orlando Villas Bôas

Equipe de Restauração 2008:
Produção: Stella Oswaldo Cruz Penido
Imagem: Joana Collier
Som: Aurélio Dias/ Maria Byington
Transcrição de som: CTAV/ SAV/ MinCDiretor: Adrian Cowel

Nas Cinzas da Floresta (In The Ashes of The Forest)

A partir da construção da BR-364, em Rondônia, e da ‘estrada de penetração’ 462, o filme traça um panorama abrangente, apresentado por José Lutzemberger, de como a política do governo brasileiro para ocupação da Amazônia na década de 1980, levou à degradação de enormes áreas de floresta nesse estado.

Ficha Técnica

Direção: Adrian Cowell
Produção: TV Central de Londres
Co-produção: Universidade Católica de Goiás
Câmeras: Vicente Rios / Auro Luz
Som: Nélio Rios / Albert Bailey / Godfrey Kirly / Vanderlei de Castro / Clive Pendry / Stephen Bray
Adaptação para versão brasileira: Verbo Filmes
Distribuição no Brasil: Pontifícia Universidade Católica de Goiás

Montanhas de Ouro (Mountains of Gold)

Adrian Cowell analisa a dinâmica econômica, social e ambiental na província mineral mais rica do planeta: Carajás. Investiga também os conflitos e contrastes entre a atuação da empresa, dona da concessão, e dos garimpeiros, a ascensão e queda da produtividade no garimpo de Serra Pelada, o crescimento exponencial da produção industrial ao longo da década de 80 e o rastro de destruição deixado na floresta ao redor.

O Destino dos Uru Eu Wau Wau

Três décadas depois de "Na Trilha dos Uru Eu Wau Wau", Adrian Cowell reencontra alguns dos personagens deste filme. Descobrimos que o líder Tari, que raptou a criança branca em "Na Trilha dos Uru Eu Wau Wau" teve sua própria irmã raptada por brancos quando tinha seis anos. O filme proporciona um encontro inesperado entre irmãos indígenas e nos mostra como os Uru Eu Wau Wau puderam lidar com as transformações em seu mundo ao longo dessas décadas.

Carnaval da Violência

Filmado nos arredores do lago Titicaca em 1960. Este carnaval é o maior festival no planalto dos Andes. Em centenas de vilas camponesas as pessoas dançam por semanas celebrando suas colheitas. O carnaval hoje é diferente dos festivais dos ancestrais incas. Antes, cada família tinha terra suficiente para o seu sustento. Hoje a maior parte das terras indígenas foi tomada. Os índios dos Andes resistiram por séculos aos conquistadores espanhóis. Do lado peruano do lago Titicaca, Puno é a cidade-mercado dos índios Aymara, o centro de troca de notícias com a Bolívia. Há dez anos os índios na Bolívia se revoltaram e dividiram entre eles as terras dos grandes fazendeiros. Vemos as pichações nas paredes. Os agitadores comunistas e suas armas cruzam a fronteira. Há outra solução a não ser revolução? Em Lima, todo ano, 30 mil índios incham as favelas. Ruas cheias de lixo. Aqui o índio ganha dez vezes mais que nas montanhas. É triste perceber que depois de quatro séculos de contato com a nossa civilização, essas favelas são as suas melhores oportunidades de sobrevivência.

Ficha Técnica
Câmera: Louis Wolfers
Som: Robert Saunders
Edição: Larry Toft
Produção: Harry Hastings
Série: Adventure
Realização: David Attenborough
BBC TV

Jangadeiros

O filme se passa numa aldeia de pescadores na praia de Caponga, próximo à Fortaleza, Ceará. Um pescador chega morto na praia amarrado ao mastro da jangada. Acompanhamos o que sucede com a vida da viúva e dos filhos. O apoio da comunidade e o destino do filho mais velho, José, que agora deve assumir o posto do pai na jangada, ficando responsável pelo sustento da família. De um dia para o outro o menino de 13 anos deixa a infância, a escola e as brincadeiras e assume o lugar de proeiro na jangada. Começa a aprender sobre o comportamento dos peixes e o movimento do mar. É assim que a comunidade se organiza: as viúvas são protegidas pela solidariedade da aldeia e os valentes e obstinados pescadores enfrentam o mar com suas frágeis jangadas.

O Reinado na Floresta

O olhar de Adrian Cowell sobre o trabalho dos irmãos Cláudio e Orlando Villas Bôas no Parque Indígena do Xingu. Suas crenças, a influência que tiveram junto aos índios e os problemas enfrentados com as frentes de expansão que abriam estradas no Brasil Central. A preocupação dos sertanistas é de que os indígenas possam viver uma transição sutil ao mundo civilizado.

Ficha Técnica
Direção: Adrian Cowell
Produção: ATV
Co-produção: Cláudio e Orlando Villas Boas
Câmeras: Chris Menges / Jesco von Puttkamer / Richard Stanley / Charles Stewart/ Ernest Vincze
Som: Gareth Haywood / Bruce White / Mike Billing
Produtor Associado: ATV
Editor de Fotografia: Adrian Cowell
Distribuição no Brasil: Pontifícia Universidade Católica de Goiás

Matando por Terras (Killing for Land)

Rodado na fronteira leste da Amazônia, ao longo da rodovia Belém Brasília, em 1986, período em que foram assassinadas mais de 100 pessoas. Grandes fazendeiros, prestes a perder benefícios adquiridos durante o governo militar, contratam pistoleiros para expulsar grupo de sem-terra acampado. Casas queimadas, assassinatos, famílias expulsas: fatos que levam à retaliação dos sem-terra com queimada de pastos e protestos, forçando os pistoleiros a abandonar o local e à partilha das terras por intermédio do Incra. Contudo, a eficácia de tais medidas só dura até o assassinato de mais dois sem-terra e de uma criança de três anos. Nem mesmo a polícia ousa enfrentar os assassinos e a justiça libera os mandantes do crime por falta de evidências. Uma entrevista com o pistoleiro mais famoso da região, conhecido por ter assassinado mais de 300 pessoas, deixa evidente que a justiça não alcança pistoleiros e latifundiários.
A versão brasileira deste filme, que teve produção, tradução e narração feitas por Adrian Cowell, só foi realizada em 2011 por medida de proteção à personagens que denunciam e nomeiam os mandantes dos assassinatos narrados pelo filme. Adrian Cowell faleceu no dia 11 de outubro de 2011, véspera de viagem ao Rio de Janeiro onde acompanharia a gravação da narração e finalização da versão brasileira feitas pela equipe.

Caminho para Extinção

Filme realizado em 1960 na região do Alto rio Xingu, um ano antes da criação do Parque Nacional do Xingu pelo governo brasileiro. Nesta época as florestas intactas do norte do Mato Grosso adquiriram valor especulativo, na forma de títulos de terra, revendidos no mercado mundial. Os grupos indígenas da região nada ganhavam com a valorização da terra - para eles a terra é a mãe que nunca morre, aquela que provê subsistência e cura, um santuário essencial para a vida. Os sertanistas Orlando e Cláudio Villas Boas, e o SPI (Serviço de Proteção aos Índios), trabalhavam para atrair para o Parque Indígena grupos ainda não contatados e fortemente ameaçados pelo avanço das violentas frentes pioneiras na região do Brasil Central.

Ficha Técnica:
Câmera: Louis Wolfers
Filmagem adicional: Jesco von Puttkamer
Som: Robert Saunders
Edição: Larry Toft
Produção: Harry Hastings
Série: Adventure
Realização: David Attenborough
BBC TV

Fugindo da Extinção

Uma reflexão sobre o desenvolvimento da política de primeiro contato com índios isolados no Brasil através da experiência ocorrida com os índios Kreen-Akrore (Paraná). O filme traz o relato de 30 anos sobre este grupo: as primeiras tentativas de contato pelos irmãos Villas Bôas na época da filmagem de "A tribo que se esconde do homem", a quase extinção destes índios com a abertura da rodovia BR 163, a migração dos poucos remanescentes doentes e fragilizados para o Parque do Xingu e, finalmente, a volta, revitalizados, a sua região de origem às margens do rio Iriri.

Fragmentos de um Povo

Registra as tentativas do Departamento de Índios Isolados da Funai para contatar remanescentes isolados dos índios Avá-Canoeiro, que terão sua área inundada pela barragem de Serra da Mesa (GO). Após décadas de perseguições, os Avá-Canoeiro se resumem a um pequeno grupo em vias de extinção. Sobrevivente de um massacre sofrido nos anos 60, uma família vive escondida em cavernas, por duas décadas, isolada e sem opção de casamento entre si. O indigenista Sydney Possuelo lidera uma longa expedição, em busca de outros indivíduos do mesmo grupo, na tentativa de evitar que a cultura dos Avá-Canoeiro desapareça para sempre.

Ficha Técnica

Direção: Adrian Cowell
Produção: Nomad films
Co-produção: PUC GO / Vicente Rios
Produtor Executivo: Roger James
Câmera: Vicente Rios
Som: Nélio Rios
Edição: Peter Spenceley / Caleb Merges
Fotografia Adicional: Chris Menges / Charles Stewart / Ken Morse
Mixagem e Dublagem: Dave Skilton
Distribuição no Brasil: Pontifícia Universidade Católica de Goiás

Batida na Floresta (The Jungle Beat)

A luta de Walmir de Jesus, o gerente do IBAMA em Ji-Paraná, para conter o desmatamento desenfreado da Amazônia no estado de Rondônia. O filme mostra Walmir combatendo a extração e a venda ilegal de madeira, a corrupção na política e no funcionalismo público local, o desemprego e as invasões em áreas de Parques Nacionais e de índios isolados.

Ficha Técnica

Narrador: Ian Curtis
Câmera / Produtor Associado: Vicente Rios
Mixagem e Dublagem: Nigel Read
Colourist: Brian Metherell
Edição Online: Rod Hutson
Metragens Adicionais: Alexis Bastos
Co-Produção Brasileira: UCG / IGPA / Mário Arruda
Editor de Fotografia: Mark Collins
Produção e Direção: Adrian Cowell / Nomad Films para BBC
Editor: Karen O’ Connor
Distribuição no Brasil: Pontifícia Universidade Católica de Goiás

Uma Dádiva para a Floresta (A Ransom for the Forest)

o filme questiona a política internacional contra o aquecimento global e o conceito e funcionamento dos créditos de carbono, através do exemplo do que aconteceu em Carajás. Refazendo o caminho do "desenvolvimento", ocorrido desde a implantação da indústria no local, vemos o funcionamento de uma intrincada teia de destruição. No cenário internacional de políticas ambientais, os créditos de carbono aparecem como uma esperança para a Amazônia.

As Queimada da Amazônia (The fires of the Amazon)

Filme sobre o impacto causado na floresta amazônica pelo acelerado crescimento e mecanização das plantações de soja ao longo da rodovia BR -163.

Ficha Técnica

Direção: Adrian Cowell
Produção: Alexandre Cameron / Charlotte Davi / Sarah Eva /Martha O’ Sullivan
Co-produção: UCG / Vicente Rios / Mário Arruda
Produtor Executivo: Roger James
Câmera: Vicente Rios
Som: Nélio Rios / Albert Bailey / Godfrey Kirby / Vanderlei de Castro / Clive Pendry / Stephen Bray
Edição: Terry Twigg / Chris Christophe
Produtor Associado: Morrow Cater
Adaptação: Verbo Filmes
Fotografia Adicional: Chris Cox / Jimmy Dibling / John Gordon / Pasco Mcfarlane
Mixagem e Dublagem: Francisco Borges
Distribuição no Brasil: Pontifícia Universidade Católica de Goiás

O Sonho do Chico (Chico's Dream)

Mostra como Marina Silva, antiga companheira política de Chico Mendes no Acre, pretende, como ministra do Meio Ambiente, levar adiante os ideais do líder seringueiro, atuando em defesa da Amazônia.

Ficha Técnica

Direção: Adrian Cowell
Produção: Vicente Rios
Co-produção: PUC GO / Mário Arruda
Produtor Executivo: Roger James
Câmera: Vicente Rios
Som: Vanderlei de Castro / Nélio Rios
Edição: Terry Twigg / Chris Christophe / Andrew Mason
Produtor Associado: Morrow Cater
Adaptação: Verbo Filmes
Fotografia Adicional: John Gordon / Greg Kelly
Mixagem e Dublagem: Francisco Borges
Distribuição no Brasil: Pontifícia Universidade Católica de Goiás

O Caminho do Fogo (The Blazing of the Trial)

Filme sobre os colonos que estavam se estabelecendo no território dos Uru Eu Wau Wau. Os índios foram dizimados por epidemias e 60 - 80% deles morreram até o final da década de 1980. Contudo, para os colonos, não foi muito melhor. O solo ali era tão ruim que, após seis anos, 60% da terra que eles haviam desmatado e plantado, com tanto entusiasmo, já tinha sido abandonada.

Ficha Técnica

Direção: Adrian Cowell, Vicente Rios
Produção: Central Independent Television
Co-produção: UCG
Câmeras: Vicente Rios, Auro Luz (Asst.), Cris Cox, Pasco Macfarlane, Jimmy Dibling
Som: Nélio Rios, Albert Bailly, Godfrey Kirly, Vanderlei de Castro, Clive Pendry, Stephen Bray
Distribuição no Brasil: Pontifícia Universidade Católica de Goiás

Tempestades da Amazônia (The Storms of the Amazon)

Enfoca a tese de doutoramento do Dr. Eneás Sallati, (ex-diretor do Inpa) discorrendo sobre as questões climáticas da floresta amazônica. Busca saber se a floresta é conseqüência do clima ou o clima é conseqüência da floresta. Ele explica como a floresta gera 50% de sua própria chuva. Isto significa que o desmatamento não somente reduzirá a quantidade de chuvas da Amazônia, mas também da região central do Brasil.

Ficha Técnica

Agradecimentos: Centro de Energia Nuclear na Agricultura, Instituto Nacional de Pesquisas na Amazônia, Instituto de Pesquisas Espaciais
Imagens: Jimmy Bailey, Vanderlei de Castro, Jodfrey Kirby
Montagem: Chris Christophe
Co-produtores: Mário Arruda, Vicente Rios
Produtor: Roger James
Diretor: Adrian Cowell
Distribuição no Brasil: Pontifícia Universidade Católica de Goiás

Financiando o Desastre (Banking on Disaster)

Aborda de maneira crítica a política ambiental do Banco Mundial para a Amazônia, enfocando a devastação feita sob seu financiamento com depoimentos do colono Renato. Mostra como este empréstimo, de meio bilhão de dólares para o Polo noroeste financiou parcialmente a destruição da floresta do oeste da Amazônia, no Estado de Rondônia e como o banco foi finalmente forçado a admitir seu erro. O documentário traz depoimentos dos ambientalista José Lutzemberger e Chico Mendes.

Ficha Técnica

Produtor - Diretor: Adrian Cowell
Editor: Chris Christophe
Produtor Associado: Vicente Rios
Produtor Executivo: Roger James
Co-Produção: UCG, Vanderlei de Castro
Assistente de Produção: Gillian Hazell
Assistente: Andrew Mason
Câmeras: Jimmy Dibling, John Gordon, Pasco Macfarlane, Vicente Rios
Central Independent Television p/c MCMLXXXVII
Distribuição no Brasil: Pontifícia Universidade Católica de Goiás

Barrados e Condenados (The Fate of the Dammed)

O documentário analisa a experiência da construção da barragem e colocação em funcionamento da hidrelétrica de Tucuruí, os quase 20 anos de controvérsias sobre o projeto e as conseqüências sociais e ambientais da falta de planejamento ordenado, por parte da empresa e do governo. Acompanha as populações atingidas e o processo que desencadeou a criação de uma reserva de desenvolvimento sustentável, nas ilhas do lago da represa.

Ficha Técnica

Direção: Adrian Cowell
Produção: Nomad Films
Co-produção: Universidade Católica de Goiás
Produtor Executivo: Vicente Rios
Câmera e Som: Vicente Rios
Distribuição no Brasil: Pontifícia Universidade Católica de Goiás

Climate Challenge

Filme composto por 2 episódios com 22 minutos em inglês, Market for the world e Money on trees.
Market for the world fala sobre a emissão de carbono; mudanças climáticas, mercado de carbono, créditos de carbono, combustível fóssil, Protocolo de Kioto, biodisel, poluição do ar. Projetos desenvolvidos em vários países. Filmado na Índia, China, Africa do Sul e Brasil. No Brasil, a empresa ECOSECURITIES com sede no Rio de Janeiro, foi a empresa que mais fez projetos para créditos de carbono no mundo. Um exemplo é a Celulose Irani, que é uma fábrica de papel que planta as árvores para produzir sua celulose. É uma empresa neutra em emissão de carbono.
Direção: Justin Mills (Índia), Rahana Dada (África do Sul), Steve Hobbs (China), Adrian Cowell (Brasil).

Money on trees mostra a emissão de carbono, políticas e novas tecnologias para diminuir a emissão de carbono e recompensar as pessoas e as comunidades que plantam e preservam a floresta. Políticas para manter a floresta em pé.
O desmatamento no Brasil faz com que o país seja um dos 10 maiores em produção de gazes de efeito estufa, dióxito de carbono, poluindo a atmosfera. Estado do Amazonas, queimadas, desmatamento. Perspectivas do mercdo de carbono par aincentivar indígenas, seringueiros e pequenos produtores a não desmatarem.
Direção: Steve Hobbs (China), Adrian Cowell (Brasil).

Visões da Floresta

O filme dirigido por Vicente Rios, com 25 minutos, traz imagens da chegada do acervo de filmes doado por Adrian Cowell à PUC-Goías , Goiânia. (Projeto Histórias da Amazônia – 50 anos de memória audiovisual em parceria com a Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz)
Depoimento de Adrian Cowell, narração off Vicente Rios. Produção PUC Goiás
Imagens: Parque Indígena do Xingu (A Tribo que se Esconde do Homen), Serra Pelada (Montanhas de Ouro), a chegada de colonos em Rondônia vindos do Rio Grande do Sul (Na Trilha dos Uru Eu Wau Wau). Imagens de Chico Mendes, Marina Silva e Presidente Luiz InácioLula da Silva no Acre (Tucuruí- Chico Mendes)
Neste filme, depoimentos de Adrian Cowell; depoimento de Orlando Villas Boas que conta como conheceu Adrian Cowell quando este chegou ao Brasil com a Expedição de estudantes de Cambridge; técnicos do IGPA (Instituto Goiano de Pre História e Antropologia, PUC-GO) organizam o acervo fílmico; Adrian relata como aprendeu a caçar com os índios, o que representava a floresta quando chegou aqui em 1958 e hoje; e que aprendeu com os irmãos Villas Boas a técnica de fazer contato com índios isolados

Chico Mendes - Eu Quero Viver (Chico – I want to live)

Mostra a trajetória de Chico Mendes, líder seringueiro no Acre, em defesa da Amazônia. Com registros feitos entre 1985 e 1988, acompanhamos Chico Mendes na organização dos seringueiros em defesa da floresta, no nascimento da Aliança dos Povos da Floresta, e na luta pela demarcação das primeiras reservas extrativistas na Amazônia. O filme mostra, ainda, a trama armada para seu assassinato e as repercussões no Brasil e no mundo.

Ficha Técnica

Direção: Adrian Cowell
Produtor Executivo: Roger James – Central Independent Television – Londres
Produtor associado: Vicente Rios (Brasil) e Morrow Cater (Washington)
Co-produção: Pontifícia Universidade Católica de Goiás
Edição: Chris Christophe / Terry Twigg / Andrew Mason
Câmeras: Vicente Rios / Auro Luz
Som: Nélio Rios / Rafael de Carvalho / Vanderlei de Castro / Stephen Bray
Fotografia Adicional: John Gordon / Greg Kelly
Adaptação para versão brasileira: Verbo Filmes
Distribuição no Brasil: Pontifícia Universidade Católica de Goiás

Transferência do acervo de Londres para o Brasil

Filmagens realizadas em Anson Road, Londres, na casa do diretor Adrian Cowell quando a equipe do projeto Histórias da Amazônia, Vicente Rios (IGPA/PUC-GO), Mario Arruda (IGPA/PUC-GO), e Stella Oswaldo Cruz Penido (COC/Fiocruz) esteve em Londres, novembro e dezembro de 2007, para preparar o vinda do acervo de filmes para o Brasil. Registros da organização das latas de filmes, higienização, Packing List (discriminação de todos os itens enviados para os trâmites burocráticos junto ao Consulado Brasileiro e desembaraço Alfândegário), embalagem, transporte das caixas e Steenbeck (mesa de montagem) para o depósito do aeroporto onde aguardaram o embarque (TAM) para o Brasil. Registro da equipe trabalhando, do acondicionamento do acervo na casa do diretor, entrevistas com parceiros de Adrian Cowell que participaram dos projetos realizados no Brasil. Entrevista com Adrian Cowell.

Mostra Amazônia Segundo Adrian Cowell - 50 Anos de Cinema

Em 2008, quando o acervo de filmes do diretor Adrian Cowell chega ao Brasil, foram organizadas Mostras de Filmes com mesas de debates para sua divulgação, no Rio de Janeiro e em Brasília. Os debates foram gravados e transcritos (decupados).

CAIXA CULTURAL – Rio de Janeiro – 25 DE NOVEMBRO A 07 DE DEZEMBRO DE 2008
Debate: O DOCUMENTARISTA ADRIAN COWELL
Com participação de Carlos Alberto Mattos, Vincent Carelli (VÍdeo nas Aldeias), Carlos Alberto de Mattos (crítico de cinema), Adrian Cowell (documentarista).
Coordenador: Beth Formaggini

Debate: MEMÓRIA E PRESERVAÇÃO DE ACERVOS FÍLMICOS INDÍGENAS
Participação de Mario Arruda (Centro de Documentação do Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia da Universidade Católica de Goiás), Mauro Domingues (Arquivo Nacional), Hernani Heffner (MAM) e Denise Portugal (Museu do Índio).
Coordenador: Paulo Elian (Casa de Oswaldo Cruz).

CCBB – Brasília – 08 A 14 DE DEZEMBRO DE 2008
Abertura: Palestra de Walmir de Jesus, personagem do filme exibido na Abertura da Mostra, “Batida na Floresta”
Debate: O PARQUE INDÍGENA DO XINGU E O MOVIMENTO INDÍGENA NO BRASIL
Participação de Marawe Kayabi, Mutuá Mehinaku, Adrian Cowell, André Villas Boas (Instituto Socioambiental), Márcio Meira (Presidente da FUNAI),
Cordenador: Bruna Franchetto (Museu Nacional)

Debate: AS TRIBOS ISOLADAS E O DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA
Participação de Sydney Possuelo (sertanista), José Meirelles (Dep. Índios Isolados – FUNAI) e Marcos Apurinã (Presidente da COIAB- Coordenação Indígena da Bacia do Amazonas)
Coordenador: Ricardo Arnt (jornalista)

Debate: O LEGADO DE CHICO MENDES: AS RESERVAS EXTRATIVISTAS
Participação de Joaquim Belo (CNS) e Julio Barbosa (CNS) Paulo Maia (ICM - BIO), Mary Allegretti,
Coordenador: Nilo Diniz (CONAMA-MMA)
Debate: GRANDES OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO REGIONAL NA AMAZÔNIA: rumo à sustentabilidade?
Participação de Julio Miragaya (Ministério da Integração Nacional), Nilfo Wandsheer (Sind. Trabalhadores Rurais de Lucas do Rio Verde – MT), Adriana Ramos - ISA(Instituto Socioambiental), Venilson José Taveira da Silva - CEFT-BAM (Centro de Estudo, Pesquisa e Formação dos Trabalhadores do Baixo Amazonas) e demais representantes do CONDESSA – Consórcio pelo Desenvolvimento Socioambiental da BR-163, Mary Alegretti (antropóloga).
Coordenador: Brent Millikan.

Evento PUC Gôiania

Evento comemorativo do lançamento da página da WEB imagensamazonia.pucgoias.edu.br/oacervo.html, descerramento da placa dos apoios institucionais para o Projeto Histórias da Amazônia na PUC de Goiás. Participação de representantes da Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz, do Reitor da PUC de Goiás, de profissionais do IGPA (Instituto Goiano de Pré-história e Antropologia). Formação de mesa, com Adrian Cowell, Stella Oswaldo Cruz Penido, Eugênia.

Resultados 1 a 30 de 33