Visualização de impressão Fechar

Mostrando 148 resultados

descrição arquivística
Instituto Oswaldo Cruz (IOC)
Opções de pesquisa avançada
Visualização de impressão Ver:

8 resultados com objetos digitais Mostrar resultados com objetos digitais

Amilar Tavares

Entrevista realizada por Rose Ingrid Goldschmidt e Wanda Hamilton, na Fiocruz (Rio de Janeiro-RJ), nos dias 23 e 27 de novembro de 1987.

Sumário
1ª Sessão: fitas 1 e 2
Origem familiar; formação escolar; o trabalho na casa comercial do pai durante as férias escolares; o teste para ingressar na Fundação Rockefeller em 1940; o trabalho inicial no biotério; a admiração pela eficácia administrativa dos americanos; o trabalho como contador na Rockefeller; o pânico causado entre os funcionários da Rockefeller pelas demissões sem indenização; a autonomia administrativa exigida ao governo Getúlio Vargas pela Rockefeller; o trabalho realizado pela Rockefeller no combate à febre amarela e à malária a pedido do governo brasileiro; a inexistência de legislação trabalhista para os empregados da Rockefeller; a organização do biotério; as facilidades concedidas pelo governo brasileiro à Rockefeller; comentários sobre Francisco Laranja e Joaquim Travassos da Rosa; a disparidade salarial entre a Rockefeller e outras instituições brasileiras de pesquisa; o controle da malária no Nordeste realizado pela Rockefeller; a transferência dos funcionários da Rockefeller para o IOC em 1950; a dificuldade de entrosamento entre antigos funcionários da Rockefeller e do IOC; a auditoria financeira conduzida por Rocha Lagoa durante a gestão de Oswaldo Cruz Filho no IOC.

2ª Sessão: fitas 3, 4 e 5
As dificuldades de relação entre antigos funcionários da Rockefeller e do IOC; o trabalho como chefe do escritório comercial de Manguinhos e a burocracia existente; a autonomia financeira do IOC garantida pelo Regimento de 1962; os inquéritos policial e administrativo; a implantação do ponto obrigatório de frequência durante o governo Jânio Quadros; a transformação jurídico-administrativa do IOC em Fundação Oswaldo Cruz em 1970; a contratação de estagiários como funcionários efetivos; o trabalho como chefe da seção financeira do IOC; a intervenção do diretor Rocha Lagoa no convênios interinstitucionais realizados pelos chefes de divisão do IOC; o convite de Rocha Lagoa para trabalhar no Ministério de Saúde como diretor do Departamento de Pessoal; comentários sobre os diretores do IOC e suas administrações; a gestão de Olympio da Fonseca no IOC; as dificuldades para a obtenção de verbas para a pesquisa; o crescimento da seção administrativa na gestão Olympio da Fonseca; a exoneração do Ministério da Saúde devido a desentendimentos com Rocha Lagoa; a transferência para a Superintendência de Campanhas de Saúde Pública (SUCAM) e o trabalho como diretor da Divisão de Segurança e Informação do Ministério da Saúde; as atividades exercidas na Divisão de Segurança e Informação; o trabalho na Escola Superior de Guerra (ESG) e na Delegacia Federal de Saúde; a aposentadoria compulsória devido a problemas de saúde; o IOC durante a gestão de Rocha Lagoa; o desinteresse pela política; opinião sobre os presidentes da República e o regime militar.

Amilcar Vianna Martins

Sumário
1ª Sessão: fitas 1 a 3 Lado A
O ingresso no Instituto Ezequiel Dias; a diversificação das áreas de pesquisa e as atividades científicas desenvolvidas nesse Instituto; a escassez de recursos financeiros para o Instituto; o projeto de Otávio Magalhães para a construção do Instituto Ezequiel Dias; o aprendizado das técnicas de produção de soros e vacinas no IOC; a produção de soro antiescorpiônico e sua paralisação em consequência da exoneração de Otávio Magalhães do Instituto; a introdução de novas técnicas para a produção do soro antiescorpiônico; a produção de soros antidiftérico e antiofídico; a fabricação de vacina antivariólica e de produtos veterinários no Instituto Ezequiel Dias; comentários sobre a criação do Instituto Ezequiel Dias; as reuniões entre os pesquisadores para escolha dos temas de pesquisa; o recrutamento de pesquisadores na faculdade de medicina; o interesse pela área de parasitologia; a autonomia e o ecletismo das pesquisas; o trabalho com doença de Chagas; perfil de Carlos Chagas; a importância das filiais do IOC; o intercâmbio entre o Instituto Ezequiel Dias e instituições estrangeiras de pesquisa; a viagem aos Estados Unidos para o estudo da febre maculosa das Montanhas Rochosas; a contaminação e as lesões causadas pela doença de Chagas.

2ª Sessão: fitas 3 lado B a 6
A nomeação para a diretoria do DNERu em 1959; a participação no diretório regional do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB); comentários sobre a Segunda Guerra Mundial e sua atuação como médico da FEB; a indicação de Juscelino Kubitschek para diretor do IOC; a crise interna no IOC; comentários sobre o Hospital Evandro Chagas; a oposição à sua administração no Instituto; a questão da distribuição de verbas aos laboratórios do Instituto; a inauguração do refeitório e a duplicação de recursos durante a sua gestão; o trabalho com esquistossomose na Faculdade de Medicina de Belo Horizonte; a criação do Instituto René Rachou; a relevância da produção de vacinas antiamarílica e antivariólica; comentários sobre a decadência de Manguinhos; a falta de interesse dos pesquisadores pelas doenças parasitárias e endêmicas; a constituição do INERu e do DNERu; o pedido de exoneração do IOC; a direção do DNERu; o problema da liberação de verbas públicas para a pesquisa científica; a relação de amizade com Juscelino Kubitschek; a pesquisa em doenças de Chagas no município de Bambuí (MG); a proibição de trabalhar com essa doença; a cassação em 1969 e o trabalho no exterior; comentários sobre a transmissão da leishmaniose e o combate a essa doença; comentários sobre a biblioteca do IOC.

Anna Kohn Hoineff

Sumário
Fita 1 - Lado A
Origem familiar, seus cursos básico e científico; o trabalho como assistente no Colégio Anglo-Americano; as atividades no Programa Ciência no Ar, na TV Tupi; a preparação para o curso de história natural; seus trabalhos com aranhas e cobras no programa Ciência no Ar; referência ao convite para trabalhar com Lauro Travassos no IOC e suas atividades com borboletas; o Curso de Especialização em Helmintologia e seu interesse pelo estudo de helmintos parasitos de peixes por sugestão de Lauro Travassos; a opção por este estudo em detrimento ao de borboletas; o primeiro trabalho publicado sobre helmintos parasitos de peixes e início do trabalho remunerado em Manguinhos; a rotina nos meios de transporte disponíveis para Manguinhos; a efetivação como pesquisadora no IOC; o estágio na Hebrew University, Israel; comentários sobre sua passagem por Paris, no Museu de História Natural, e o contato com os professores Alain Chabaud e Robert Philippe Dollfus.

Fita 1 - Lado B
Continuação dos comentários sobre a passagem por Paris e a pesquisa realizada no acervo do Museu de História Natural; a chegada em Israel e o encontro com os professores Wertheim e Illan Papema; comentários sobre o trabalho com parasitos de peixes do Mediterrâneo e parasitos de peixes de aquário; avaliação do estágio realizado por três meses e a oportunidade de estudar parasitos monogenéticos (parasitos de branquías); o retomo ao Brasil e seu casamento, as pesquisas no IOC e os trabalhos de campo; referência à publicação do catálogo de parasitos de peixes do Brasil; o falecimento de João Ferreira Teixeira de Freitas, de seu pai e de Lauro Travassos, todos no ano de 1970; o convite de Oswaldo Cruz Filho para o cargo de assessora técnica da direção do IOC; o impacto da criação da Fiocruz na atividade de pesquisa; os efeitos do Massacre de Manguinhos; referência ao trabalho de direção de Wladimir Lobato Paraense, no IOC, e de Vinícius da Fonseca, na Presidência da Fundação; a permanência no IOC como estatutária e a reforma no prédio do biotério que propiciou a crianção de caramujos e camundongos; o trabalho com Míriam Tendler; o uso do primeiro microscópio eletrônico no Instituto; referência à administração de José Coura; o credenciamento dos laboratórios do IOC, em 1991; o período do presidente da República, Fernando Collor de Melo, e seu pedido de aposentadoria.

Fita 2, - Lado A
Comentários sobre atividades acadêmicas como docente do curso de mestrado em Zoologia do Museu Nacional e sua orientação na primeira dissertação de Mestrado em Zoologia defendida na instituição; as bolsas do CNPq e a sua efetivação como pesquisadora titular na Fiocruz; o trabalho de orientação de teses; referência à gratificação oferecida aos pesquisadores pós-graduados na Fiocruz e o trabalho de docente no IOC; a criação e o desenvolvimento da Coleção Helmintológica no IOC; a importância das coleções científicas nas atividades de pesquisa; considerações sobre a definição dos tipos nas coleções científicas; os empréstimos de exemplares das coleções científicas do IOC para o exterior; as atividades de pesquisa sobre helmintos parasitos de peixes em reservatórios da usina hidrelétrica Itaipu; a abertura da linha de pesquisa sobre ultra-estrutura dos parasitos de peixes e a orientação de teses e dissertações sobre este tema; a elaboração do catálogo sobre parasitos de peixes da América do Sul; atualização do catálogo de espécies de trematódeos existentes no Brasil, cuja primeira edição foi elaborada com Travassos e Teixeira, em 1969.

Fita 2 - Lado B
Atualização do catálogo sobre parasitos de peixes e as publicações sobre o tema no Brasil; referência à sua equipe de trabalho na Fiocruz; tentativa de transferência da Coleção Helmintológica do IOC para o Museu Nacional na década de 1970; comentários sobre as dificuldades de contratação de pessoal; considerações sobre a questão da remuneração das atividades de pesquisa no país.

Artigos Cientificos

Inclui Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Revista da Sociedade Argentina de Biologia, Journal of Pathology; Archivos Venezolanos de Patologia Tropical y Parasitologia Médica, Arquivos Brasileiros de Cardiologia, British Medical Journal, Jornal Brasileiro de Ginecologia, Journal of Tropical Medicine and Hygiene, Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, Nature International Journal of Science, Revista da FSES, Revista A Folha Médica, Revista Brasileira Biológica, Revista Brasileira de Malariologia e Doenças Tropicais, Revista Brasileira de Medicina, Revista Brasil-Médico, Revista Clínica de São Paulo, Revista da Associação Médica de Minas Gerais, Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo, Revista Goiana de Medicina, Revista Patologia Tropical, Revista La Prensa Médica Argentina, Revista Médica da Bahia, Revista Science, The American Journal of Cardiology, The Journal of Parasitology, The Journal of Experimental Medicine, Journal The Lancet e The New England Journal Of Medicine, Transactions of the Royal Society of Tropical Medicine and Hygiene; Societé Brésilienne de Biologie; Salud Publica del Mexico.

Artigos Científicos

  • BR RJCOC JR-DP-IC-01
  • Dossiê
  • 1936-13/03/2002
  • Parte de José Reis

Inclui: “Reminiscencias da febre typhoide”, Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, 31(4); “Particularidades da febre amarela urbana e da silvestre no sul do Brasil”; “História da Filosofia e Filosofia da História”, Revista do Arquivo, 91; “Kant, o nominalismo medieval e a educação científica moderna”, Boletim Bibliográfica, 8; “O inconsciente e a auto-fiscalização do cientista”, Revista do Arquivo, 130; “Vantagens e perigos das tentativas de unificação das ciências”, Revista do Arquivo, 133; “Toxoplasmose: generalidades e métodos de diagnóstico”, Revista Paulista de Medicina, 37(5); “Considérations sur 23 cas de choriorétinite chez des sujets adultes porteurs d’anticorps toxoplasmiques”, Bullentins et Mémoires de la Société Française d’Ophtalmogie; “Treatment of meningitis by intracisternal injection of Chloramphenicol”, The Journal of the American Medical Association; “O uso do cloranfenicol (Cloromicetina), por via endovenosa, no pós-operatório da cirurgia gastro-intestinal”, Revista do Hospital de Clínicas; “Técnica de Documentação na Organização da Literatura Científica”, Ciência e Cultura, 5(4); “Sôbre o ensino e a natureza esquemática da Genética. O ‘Quadrado dos Grupos Sanguíneos’”, Anhembi; “Sobre o sexo genético nas pacientes com Síndrome de Turner”, Revista da Associação Médica Brasileira, 1(2); “Notes and comments. South American lan mammals and their lice”, Evolution, 9(3); “Animação do concepto”, Arquivos das Hospitais da Santa Casa de São Paulo, 2(2); “Genética, Bioquímica e o cão dálmata”, Veterinária, 11(1); “Isolamento e identificação do vírus da bronquite infecciosa das galinhas no Brasil”, Arquivos da Escola Superior de Veterinária da UREMG, 10; “Notas sôbre o problema do môfo nos livros”; “Intoxicações pelos modernos inseticidas”, Revista Paulista de Medicina, 55(5); “Demências, genética e meio”, Jornal Brasileiro de Psiquiatria; “Pesquisa leprológica em São Paulo”, Revista Brasileira de Leprologia, 26(3/4); “Efeito da exclusão dos insetos polinizadores na produção do café bourbon”, Bragantia, 18(29); “A hibridização vegetativa em animais”, Anhembi, 43; “Longevidade e herança”, Jornal Brasileiro de Medicina, 2(11); “Intoxicações acidentais humanas por inseticidas”, Instituto Biológico, 112; “Vida e obra do naturalista João Paiva de Carvalho”; “Bradicinina”, Acta Physiologica Latino Americana, 12(1); “Prefixos empregados em Química, não dervados de radicais químicos”, Publicações Farmacêuticas, 79; “As condições de sanidade nas relações entre o funcionário e o Estado”, Revista da Faculdade de Direito, 57; “O boto gigante em face da investigação científica”, Revista Verbum, 20(4); “Um grande naturalista cearense: Francisco Dias da Rocha”; “Estudos sôbre a maconha nacional (Cannabis sativa L.)”, Anais da Academia Brasileira de Ciências, 36(4); “As relações do empregador com a segurança social por ocasião dos acidentes do trabalho e das doenças profissionais”, Revista da Faculdade de Direito; “Carta da Vegetação e Planejamento”; “Experiments on ‘vegetative hybridization’ in birds”, The World’s Poultry Science Journal, 18(3); “Heat production of tropical snakes in relation to body weight and body surface”, The American Journal of Physiology, 209(3); “Effect of body temperature on energy metabolism and heart rate of dogs after CNS destruction”, The American Journal of Physiology, 210(6); “Bibliography on Bradykin”; “Intermediate nephroin nephrosis experimentally induced in the dog with crotalic venom. Anatomopathological study”; “Bioquímica e quimioterapia da esquistossomose”; “Some aspects of the evolution of social bees (Apidae)”, Evolutionary biology, 3; “Bio-bibliografia do Dr. Pedro de Azevedo”, Boletim Téc. DNOCS, 30(1); “Crenoterapia em Dermataologia”, Revista Brasileira de Medicina, 29(6); “O futuro balneário de Águas da Prata”, Revista Brasileira de Medicina, 29(9); “Manguinhos – Reminiscências”, Ciência e Cultura, 24(12); “Historical notes on inheritance of sickle cell anemia”, The American Journal of Human Genetics, 25(4); “Três lustros de ensino do direito: um depoimento”, Ciência e Cultura, 25(8); “Eltrossono”, Revista Brasileira de Clínica e Terapêutica, 2(8); “Induction (Transfer) of na Operant Behaviour by Injection of Brain Extract”, Psychopharmacologia, 33; “Electrets in Biomaterials and in Biophysics”; “Recommendation on the status of scientific researches”; “Metodologia Cietífica”; “Studi psicosomatici delle depressioni neurotiche e psicotiche: risultati della psicoterapia analitica di gruppo”; “A ilha de calor da cidade: fatores e atributos”, Revista do Museu Paulista, 22; “Complexidades nomenclaturas em Biologia. Gênero de nomes genéricos terminados em-ops z. n. (s) 1572” Memórias do Instituto Butantan, 39; “Cem anos de Química no Brasil”, Revista de História, 63; “Sobre o ensino da História das Ciências”, Revista de História, 103; “Algumas reflexões sobre a historiografia contemporânea da ciência”, Revista de História, 103; “El hedonismo libertario de Santiago Ramon y Cajal”, Acta Cientifica Venezolana, 27; “Egas Moniz, sábio e escritor”, Revista da Academia Paulista de Letras, 86, “Estudo biogeográfico de líquens como vegetais indicadores de poluição aérea da cidade de Campinas-SP”, Geografia, 2(4); “A primeira titular das Arcadas”, “Participação em lucros e o Programa de Integração Social”, Revista da Faculdade de Direito, 72(1); “Dos cargos de confiança no Direito do Trabalho”; “Sobre o modelo lógico do desenvolvimento cientifico”, “Na example of a relativistic ‘Red-Shift’ Phenomenon – the Hydrogen Line-Spectrum”, Speculations in Science and Technology, 2(5); “Genetic investigations in a Northern Brazilian Island”; Human Heredity, 28; “Como nascem as idéias”, Revista Assobrav; “Auxílio-inatividade: dúvida na aplicação da lei que o criou”, Revista da Previdência Social (3(10); “A reforma da previdência social”, “A pessoa excepcional e a legislação brasileira”, Revista de Direito do Trabalho, 13; “Comentários à nova Lei de Acidentes do Trabalho”, SOS – Saúde Ocupacional e Segurança, 14(1); “The Unletered University”; “Tratamento funcional da dor”, Jornal Brasileiro de Medicina; “Impotência sexual (Síndrome de insuficiência sexual masculina – SISM). Fisiologia, diagnóstico e tratamento”, Ars Cvrandi; “Psychoanalytical Studies on the Causes of Intoxication by Marijuana”, The International Journal od the Addictions, 14(5); “Fluoração artificial da água dos sistemas públicos de abastecimentos: da necessidade” Quintessência, 7(5); “A carie dos dentes: o que é; o que causa”; “Research and development, productivity and inflation”; “Heinrich Rheinboldt (1891-1955)”, Ciência e Cultura, 32(11); “A explosão demográfica. As possibilidades da terra e do homem, a pobreza e a miséria”; “Aarão Reis – O engenheiro, o professor, o urbanista, o fundador de Belo Horizonte”, Anais da V Reunião de Positivistas; “Olivério Mário de Oliveira Pinto (1896-1981)”, Archives Internationales d’Histoire des Sciences; “Departamento de Fisiologia Geral”, Boletim Fiosiol. Animail, 9; “Parkinsonismo e demência”, Revista da Associação Médica Brasil, 33(1/2); “Crodowaldo Pavan”, Ciência e cultura, 42(9); “A segurança do voto na urna eletrônica brasileira”; “Professor Rocha e Silva. Resumo biográfico e vida científica, 1910-1983”, Revista Medicina; “O pai da genética”.

Artigos Científicos

O. Pugachia; D. J. da Silva; Pinto, L. L. S.; Kerr, I. Ballini

Attílio Borriello

Sumário
1ª Sessão
A família de imigrantes italianos e a infância em São Luiz de Paraetinga; a ligação com a família de Oswaldo Cruz; a mudança dos irmãos Borriello para o Rio de Janeiro e o ingresso em Manguinhos; o trabalho na tipografia do IOC em 1921; o trabalho no laboratório de protozoologia em 1924; a moradia dos funcionários de Manguinhos; os riscos do trabalho em laboratório no início do século; perfil de Henrique Aragão; os surtos de febre amarela em 1926 e 1928; a incorporação da Fundação Rockefeller ao IOC; a doação de amostras de culturas de leptospira feita por Noguchi ao IOC; o ingresso de Francisco Gomes ao IOC; comentários sobre os colegas e o cotidiano no laboratório; a localização do laboratório de Adolpho Lutz; o trabalho no laboratório do diretor Carlos Chagas em 1931; o perfil administrativo de Carlos Chagas; o Curso de Aplicação do IOC e os alunos Walter Oswaldo Cruz e Emanuel Dias; a contribuição dos auxiliaras na formação de jovens cientistas; o orçamento do IOC e a verba proveniente da vacina contra a manqueira; a influência política de Carlos Chagas; a incidência de tuberculose no Rio de Janeiro no início do século; observações sobre a Revolução de 1930 e a de São Paulo em 1932; o contato com o prefeito Pedro Ernesto e a adesão ao getulismo; o Boletim Revolucionário feito no IOC em 1932; o apoio dos funcionários de Manguinhos ao prefeito do Distrito Federal, Henrique Dodsworth; os benefícios obtidos com a criação das leis trabalhistas; a hierarquia de funções no IOC; a participação dos auxiliares nas pesquisas dos cientistas; as dificuldades financeiras no IOC; a implantação do ponto freqüência com a criação do Departamento de Administração do Serviço Público (DASP) em 1938; a contratação de mulheres na administração de Olympio da Fonseca.

2ª Sessão
A influência dos cientistas na formação profissional dos auxiliares; a contratação de Walter Oswaldo Cruz e de Emanuel Dias para trabalhar no laboratório de Carlos Chagas; as diferentes áreas de pesquisa do IOC; comentários sobre o Curso de Aplicação do IOC; o namoro e o casamento com Ana da Cunha; as famílias de técnicos e auxiliares do IOC; os empregos em laboratórios particulares; comentários sobre a disparidade entre os salários de auxiliares e cientistas; o ingresso do filho no IOC; a amizade com Rocha Lagoa; o almoço dos auxiliares veteranos com Carlos Chagas Filho; a volta para a seção de protozoologia durante a administração Cardoso Fontes; observações sobre as administrações Carlos Chagas, Cardoso Fontes e Olympio da Fonseca; a insatisfação entre alguns pesquisadores provocada pela nomeação de Carlos Chagas para a direção do IOC; a gestão Cardoso Fontes e a vendetta contra Chagas; a ausência de projetos científicos significativos durante a administração de Cardoso Fontes e a decadência do IOC; descrição da ocupação física do prédio do castelo mourisco e do campus de Manguinhos; perfil de José Guilherme Lacorte.

Augusto Cid de Mello Perissé

Entrevista realizada por Wanda Hamilton, na Fiocruz (Rio de Janeiro/RJ), no dia 27 de fevereiro de 1986.
Sumário
Fitas 1 a 4
Origem familiar; os problemas financeiros na época em que era estudante de farmácia; a atração pela medicina; o trabalho como tecnologista da Marinha; o emprego numa fábrica de pólvora a convite de um professor; o ingresso no IOC em 1943; considerações sobre o curso de farmácia; o interesse pela botânica e a decisão de permanecer no IOC; o primeiro contato com a química; a proibição de trabalhar com síntese de composto orgânico pelo diretor do IOC, Henrique Aragão; o desenvolvimento da química no IOC e a introdução de novos cursos durante a gestão Olympio da Fonseca; o trabalho no Instituto Nacional de Tecnologia; a transferência para a USP a convite do professor Hauptman e a convivência com químicos alemães; a importância da biblioteca do IOC até 1964; comentários sobre o trabalho do professor Hauptman e de Rheinboldt; crítica à orientação científica do IOC no período pós-1964; comentários sobre o doutorado na USP; o trabalho na Bahia a convite de Edgard Santos; o curso de pós-doutorado na Alemanha; a importância das pesquisas em química experimental na USP; a vida e o trabalho em São Paulo; as dificuldades de desenvolvimento da química no Brasil; o estudo e o trabalho em bioquímica da hanseníase a importância do vínculo entre pesquisa e produção; a interrupção da pesquisa sobre hanseníase em consequência de sua cassação; a reconstrução do laboratório após o regresso a Manguinhos; as atividades profissionais em Paris durante o exílio; o trabalho realizado em Moçambique; a bolsa do CNPq para desenvolver pesquisa em hanseníase; comentários sobre a descoberta da hanseníase; a fase de decadência do IOC após a direção de Carlos Chagas; as atividades exercidas em Manguinhos entre 1943 e 1969; perfil e gestão de Olympio da Fonseca; o incentivo do CNPq à ciência no Brasil; a crença no progresso da humanidade através da ciência; a importância do Ministério da Ciência e Tecnologia para o desenvolvimento científico do país; o impacto das multinacionais sobre o desenvolvimento autônomo da ciência no país; a difícil sobrevivência dos institutos de pesquisa no Brasil; a redemocratização e legalização do Partido Comunista Brasileiro (PCB); a intervenção dos militares na vida política do país; os inquéritos militares e as cassações em Manguinhos; a solidariedade dos colegas do IOC e a repercussão das cassações; o fim do regime militar e a redemocratização na FIOCRUZ durante a gestão Sérgio Arouca; o caráter pessoal das perseguições movidas por Rocha Lagoa; o fechamento do laboratório de química e a perda de seus produtos após a cassação; o conflito ente os pesquisadores de Manguinhos; a paralisação da produção científica no IOC após 1970; o financiamento à pesquisa concedido pela Fundação Ford; a importância da construção de Far-Manguinhos e de Bio-Manguinhos.

Campanha de Erradicação da Varíola

Reúne artigos, relatórios, publicações, formulários, informativos, balanços de projetos, gráficos, resumos, planos de ação, programas, estudos de caso, manuais, projetos, recortes de jornais, tabelas, convênios, anais, listas bibliográficas, mapas, atos normativos, apontamentos, mensagens, prospectos, cartas, textos, memorandos, programas de eventos, agendas, instruções, cadastros de profissionais, jornais, apostilas de cursos, fichas de avaliação de pacientes, listas de slides, normas técnicas, organogramas, propostas, questionários e recibos.

Carlos Chagas Filho

Entrevista realizada por Nara de Azevedo Brito, Paulo Gadelha, Luiz Fernando Ferreira e Rose Ingrid Goldschmidt, no Instituto de Biofísica (UFRJ), entre os dias 18 de fevereiro de 1987 e 30 de setembro de 1988.
Sumário
Fita 1 a Fita 3

O ingresso na faculdade de medicina; o encontro com Walter Oswaldo Cruz e Emanuel Dias no curso médico; a personalidade e inteligência de Walter Oswaldo Cruz; a penetração da literatura francesa no Brasil no início do século; A reforma de ensino Rocha Vaz e as repercussões no curso de medicina; o ingresso em Manguinhos com Walter Oswaldo Cruz e Emanuel Dias; a experiência como adjunto de serviço de autópsia de Magarino Torres no Hospital São Francisco; o método e a dedicação do pai à atividade docente; a boemia nos tempos da juventude com os amigos Walter Oswaldo Cruz e Emanuel Dias; o interesse de Walter Oswaldo Cruz pelo estudo de anemia; a opção pela universidade em detrimento de Manguinhos; a iniciativa da Fundação Ford em estabelecer cursos de pós-graduação no Brasil a partir de 1964; o perfil progressista de Walter Oswaldo Cruz; visão crítica sobre Rocha Lagoa; as gestões Francisco Laranja e Antonio Augusto Xavier no IOC; a decadência de Manguinhos; os conflitos internos gerados com a nomeação de Rocha Lagoa para a direção do IOC; o convite do presidente Castelo Branco para representar o Brasil na UNESCO; a reprovação de Rocha Lagoa no concurso promovido pelo Departamento de Administração do Serviço Público (DASP) para biologista de Manguinhos; a presença de militares no IOC durante a gestão de Rocha Lagoa; o último encontro com Walter Oswaldo Cruz em 1965 e o choque causado por sua morte em 1967; a atual superioridade científica de São Paulo sobre o Rio de Janeiro; o perfil profissional dos filhos de Oswaldo Cruz.

Fita 4 a Fita 5

A infância na rua Paissandú (RJ); os banhos de mar com o pai na Praia do Flamengo (RJ); a admiração de Carlos Chagas por Oswaldo Cruz e o choque provocado por sua morte; a divisão política do IOC depois da morte de Oswaldo Cruz e a luta pela direção de Manguinhos; as dificuldades financeiras do IOC com o fim da verba da vacina contra a manqueira; o esvaziamento do IOC após a criação das universidades e centros de pesquisa a partir da década de 30; comentários sobre as causas da morte de Oswaldo Cruz; a crença positivista da família e o forte sentimento religioso; a educação voltada para as diversas manifestações culturais e artísticas; a influência estrangeira no desenvolvimento científico brasileiro; as leituras preferidas do pai; o questionamento da Academia Nacional de Medicina a respeito da descoberta da doença de Chagas; o desprestígio da carreira universitária no início do século; a fundação de um centro de pesquisa em universidade brasileira; o caráter centralizador da gestão de Carlos Chagas no IOC.

Fita 6 a Fita 7

Os primeiros contatos com Manguinhos e com Joaquim Venâncio; a personalidade de Adolpho Lutz; a amizade com Francisco Gomes no laboratório de Astrogildo Machado; a experiência profissional adquirida no contato com Osvino Pena, Magarino Torres e Burle Figueiredo no Hospital São Francisco de Assis; a vida boêmia de alguns cientistas do IOC; o perfil profissional de Carneiro Felipe; a relação paternalista dos cientistas do IOC com seus estagiários; a personalidade autoritária de Álvaro Osório de Almeida; a forte influência científico-cultural francesa nos fundadores de Manguinhos; comparações entre as questões sociais do início do século e as atuais; o crescimento das favelas do Rio de Janeiro após o Estado Novo; ausência de discriminação racial em Manguinhos; a participação na Aliança Liberal em 1930; o equívoco das políticas de saúde de Getúlio Vargas; resistência do pai à incorporação do IOC pelo Departamento Nacional de Saúde Pública (DNSP); o perfil político de Belisário Pena e sua relação com Carlos Chagas; ausência de grupos de esquerda organizados antes da década de 30; o mecenato de Guilherme Guinle e o financiamento ao SEGE dirigido por Evandro Chagas; o perfil profissional de Felipe Neri Guimarães e a coesão do grupo de cientistas do SEGE; a desvalorização da ciência por parte das autoridades brasileiras; inexistência de um período de decadência na história de Manguinhos; comentários sobre a baixa qualidade da penicilina produzida por Manguinhos na década de 40; a dificuldade da gestão Aragão em visualizar o futuro desenvolvimento do IOC.

Fita 8 a Fita 9

Perfil do professor Pacheco Leão; a experiência profissional na expedição à Lassance e o contato com lepra e malária no interior do país; as condições de vida do povo brasileiro; as qualidades e carências do Curso de aplicação do IOC; a convivência com o arquiteto Luiz de Morais, com o bibliotecário Overmeer e o fotógrafo J. Pinto; as diversas fontes de financiamento do laboratório de biofísica; o nascimento da microscopia eletrônica brasileira; a formação de profissionais competentes no Instituto de Biofísica; os motivos da opção pela universidade em detrimento do IOC; a dificuldade na escolha da banca examinadora do concurso na Universidade do Brasil; o pedido para sua permanência em Manguinhos feito por Evandro Chagas; o desgosto de Evandro Chagas ao ser reprovado no concurso para a cátedra de doenças tropicais da Faculdade de Medicina da Universidade do Brasil; a nomeação para chefia do SEGE em 1942 após a morte de Evandro Chagas; as diversas origens das verbas do IOC e o incentivo à pesquisa brasileira com a criação do CNPq; o auxílio da fundação Rockefeller para o desenvolvimento da pesquisa em radioisotopia no Instituto de Biofísica; a personalidade de Miguel Osório de Almeida; a prisão de Carlos Chagas na Revolução de 1930; Pedro Ernesto e a tentativa de democratizar o governo Vargas; defesa da formação interdisciplinar do médico e do sanitarista brasileiro.

Fita 10 e Fita 11

A luta pelo progresso da ciência brasileira; a elevação do custo de vida e as dificuldades financeiras durante o Estado Novo; o contato com grandes cientistas europeus na década de 40; a formação inicial do quadro de profissionais do Instituto de Biofísica; as dificuldades do desenvolvimento científico na sociedade brasileira; a tentativa de Barros Barreto de transformar o IOC em uma instituição de saúde pública; a prática de interdisciplina no Instituto de Biofísica; o incentivo do CNPq ao desenvolvimento científico; perfil do Almirante Álvaro Alberto; o desenvolvimento da física brasileira; defesa da autonomia de pesquisa nas universidades; os riscos provenientes da privatização das instituições de pesquisa; considerações sobre a importância da tecnologia no desenvolvimento científico do Terceiro Mundo.

Fita 12 a Fita 14

Os principais problemas do Terceiro Mundo; o caráter colonial do desenvolvimento científico brasileiro; a necessidade de harmonia cultural para o desenvolvimento econômico e social de um país; a valorização da ciência e tecnologia após a Segunda Guerra Mundial; crítica ao comportamento das elites brasileiras; comparação entre o ensino médico do início do século e da década de 60; os obstáculos à pesquisa criados pela Reforma Universitária de 1964; defesa do ensino religioso nas universidades brasileiras.

Fita 15 a Fita 16

A inconveniente privatização da biotecnologia; ausência de políticos voltados para a defesa do desenvolvimento da ciência e tecnologia nacional; a necessidade de diferenciação entre prática médica e atividade científica; histórico da criação do CNPq e o trabalho desenvolvido na Divisão de Ciência e Biologia; o preconceito do CNPq em relação às ciências sociais; comentários sobre a soma de recursos do CNPq investidas em Manguinhos; o aproveitamento de cientistas europeus exilados durante a Segunda Guerra Mundial por instituições de pesquisa de São Paulo; definição de vocação científica e a diferenciação entre cientistas e “empregados da ciência”; comentários sobre a obrigatoriedade de publicação regular de artigos científicos; as disputas internas no CNPq durante o governo Café Filho e a demissão do Almirante Álvaro Alberto; o controle da ciência e da tecnologia pelos militares a partir de 1964.

Fita 17 a Fita 18 - Lado A

O contato com o Instituto Pasteur e com Emile Marchou em 1937; a equiparação tecnológica do IOC com o Instituto Pasteur na década de 30; comentário sobre a atuação de pesquisadores do Instituto Pasteur na Resistência Francesa durante a Segunda Guerra Mundial; perfil de Eráclides de Souza Araújo; Olympio da Fonseca e a tentativa de criar a área de microscopia eletrônica no IOC; o perfil acadêmico das universidades francesas.

Fita 18 - lado B a Fita 19

O trabalho da Academia Brasileira de Ciências na década de 60; as reuniões científicas com Álvaro Alberto e Arthur Moses; a questão da propriedade das patentes de vacina no IOC na década de 30; a supremacia do grupo biomédico na Academia Brasileira de Ciências a partir da década de 40; a valorização da saúde pelas autoridades públicas após a Reforma Carlos Chagas em 1921; a importância das academias científicas no desenvolvimento social e econômico dos países europeus; o trabalho desenvolvido como delegado do Brasil na UNESCO; o trabalho pela paz mundial; a importância de sua atuação como secretário geral da Conferência das Nações Unidas para a Aplicação da Ciência e Tecnologia ao Desenvolvimento realizada em 1962; a nomeação para presidente da Academia Pontifícia de Ciências.

Fita 20 a Fita 21

Perfil da bibliotecária Emília de Bustamante; o distanciamento entre os avanços da ciência nos países desenvolvidos e nos subdesenvolvidos; a necessária priorização da educação pelos futuros governantes brasileiros; o caráter predatório das elites brasileiras; a luta empreendida pela Academia Pontifícia de Ciências contra a guerra nuclear e a destruição da camada de ozônio da atmosfera; a defesa pela Igreja do sistema Ptolomáico ameaçado por Copérnico; as dificuldades financeiras enfrentadas pelo Vaticano; comentários sobre a fé católica brasileira; a singular combinação entre ciência e religião e sua concepção de religiosidade; defesa da origem divina do universo; a forte religiosidade dos cientistas judeus; os méritos e defeitos da “Tecnologia da Libertação”; visão sobre o papel da ciência no desenvolvimento humano.

Cartas

Cartas

  • BR RJCOC RA-DP-PP-01
  • Dossiê
  • 09/1968 - 01/1968
  • Parte de Reinout Altman

Cartas

  • BR RJCOC JJ-DP-PC-02
  • Dossiê
  • 14/06/1963 - 15/08/2001
  • Parte de José Jurberg

Cartas

  • BR RJCOC PC-FC-PH-06
  • Dossiê
  • 14/01/1926 - 01/10/1981
  • Parte de Paulo Carneiro

Cartas

  • BR RJCOC AP-VP-MM-01
  • Dossiê
  • 26/06/1964 - 28/12/1989
  • Parte de Augusto Perissé

Jornal da Cidade de Barbacena

Cartas

Revista de Patologia Tropical

Cartas

Antônio Guimarães; Olintho da Silva

Cartas

Cartas

Cartas, Declarações e Certificados

Reúne cartas, declarações e certificados relacionados às atividades didáticas do titular em entidades públicas ou privadas.

Certidões

  • BR RJCOC HU-FC-ST-03
  • Dossiê
  • 31/12/1949 - 25/11/1958
  • Parte de Hugo Laemmert

Resultados 1 a 30 de 148