Mostrando 387 resultados

descrição arquivística
Recife (PE)
Opções de pesquisa avançada
Visualização de impressão Ver:

12 resultados com objetos digitais Mostrar resultados com objetos digitais

Crachás

Dossiê constituído por crachás de participação em diversos eventos.

Dossiê Membro da Sociedade Brasileira de Higiene

  • BR RJCOC CE-RI-01.v.1 -v.2
  • Dossiê
  • 1923 - 29/03/2004
  • Parte de Celso Arcoverde

Discursos; Publicações; "Profilaxia Das Doença Transmissíveis"; "Conferências Pronunciadas Em 1956 pelo Ministro Dr. Aramis Athayde"; "Comemoração pela Sbho Dia de Oswaldo Cruz"; "Estrutura da Mortalidade Condicionamento Básicos 1970 - 75"; "Cuidados Primários de Saúde 1979"; Manual de Diagnóstico e Tratamento de Acidentes Ofidicos; O Momento; Informativos; Certificados; Conferências; Relatórios de Atividades; Comunicados; Comunicações em Eventos; Recomendações; Diplomas; Resumos ; Dossiê Revisão de Aposentadoria; Ofícios Circulares; Inquéritos; Estudos de Caso.
Referentes ao XV Congresso Brasileiro de Higiene; XIV Congresso Brasileiro de Higiene; XVI congresso Brasileiro de Higiene.

Cartas

  • BR RJCOC JJ-DP-IC-01.v.1-v.2
  • Dossiê
  • 20/06/1961 - 29/11/2004
  • Parte de José Jurberg

Chainey, J. E.

Cartas

Cartas

  • BR RJCOC CE-DP-IC-03
  • Dossiê
  • 13/10/1965 - 07/04/2004
  • Parte de Celso Arcoverde

Rodrigues da Silva

Editor da Revista Entomologia y Vectores

  • BR RJCOC JJ-RI-PE-05
  • Dossiê
  • 09/05/1994 - 14/12/2004
  • Parte de José Jurberg

Cartas, fotografias, quadros demonstrativos, recibos, declarações, cartões de recebimento, listas de correspondências, ofícios, memorandos, mensagens por e-mail, listas de artigos, mensagens de fax, apontamentos, tabelas.

Waldemir Soares de Miranda

Entrevista realizada por Maria Leide W. de Oliveira, em Recife (PE), no dia 21 de novembro de 2003.
Sumário de assuntos
Fita 1 – Lado A
A origem familiar na cidade de Guarabira, Paraíba; a mudança para a capital João Pessoa, em 1913, para completar os estudos; comentários sobre os irmãos; o vestibular, a ida para o Rio de Janeiro e o ingresso no curso de Medicina na Universidade do Brasil; comentários sobre o viver no Rio de Janeiro na década de 1930; os primeiros contatos com a hanseníase no Pavilhão São Miguel, na Santa Casa da Misericórdia; a admiração pelas aulas ministradas pelo professor Eduardo Rabello; a amizade com o filho deste, Francisco Eduardo Acioli Rabello, seu colega de turma; lembranças de Deolindo Couto e Oscar da Silva Araujo; Fernando Terra como chefe do Serviço de Dermatologia, na Santa Casa da Misericórdia, e o início de Jorge Lobo neste posto; a experiência profissional após a graduação na Santa Casa; o concurso para médico dermatologista do Departamento de Saúde Pública em Pernambuco, na década de 1930, e o trabalho no Hospital Pedro II; a permanência em Castelo, no Espírito Santo, por indicação do professor Atílio Vivácua, antes do retorno a Pernambuco.

Fita 1 – Lado B
A experiência de ser médico em Pernambuco; o envio de material biológico para o Instituto Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro, para se fazer biópsias; novas considerações sobre o concurso para o Departamento de Saúde Pública; a vida familiar, o primeiro casamento e os filhos; comentários sobre seu medo em relação ao contágio da lepra, só superado após a leitura do livro La lèpre, de E. Jeanselme; sobre a assistência aos doentes na Paraíba; recordação sobre as três esposas; o curso de pós-graduação no Hospital Saint-Louis, em Paris, durante um ano, e no Instituto de Medicina Tropical da Alemanha, por 8 meses; a fundação da Faculdade de Ciências Médicas de Pernambuco, em 1950.

Fita 2 – Lado A
Sobre a época da graduação e os bondes no Rio de Janeiro; o gosto pela literatura e a frequência na Academia Brasileira de Letras, onde conheceu alguns acadêmicos, entre os quais Coelho Neto; o cargo de presidente da Academia de Letras, em Pernambuco; lembranças dos alunos que mais se destacaram na Faculdade de Ciências Médicas, Simon Foguel, seu sucessor, e Francisco Peixoto;
comentários sobre alguns de seus livros como Bouba no Nordeste brasileiro, (1935), Um novo esporotricado e suas reações alérgicas e Alguns aspectos farmacológicos a Jatropha Curcas (1938), uma planta do Nordeste; a importância da faculdade na sua vida e a criação de alguns serviços, como o de Radiologia; lembranças da cidade de Caiçara, Paraíba, e sobre suas atividades na cidade; recordações sobre o Rio de Janeiro e Recife; reflexão sobre o significado de se viver 100 anos; homenagens feitas ao depoente e ao pai em Caiçara; as atividades atuais; comentários sobre como recebeu a mudança no nome da doença de ‘lepra’ para ‘hanseníase’.

Publicações

  • BR RJCOC CE-DP-PP-01.v.1-v.4
  • Dossiê
  • 1928 - 2003
  • Parte de Celso Arcoverde

Les faunes regionales et des puces dan leurs rapports avec la peste, tratado de higiene, em tôrno da profilaxia da peste: Noções básicas gerais de infecção, imunidade, desenfecção, epidemiologia e profilaxia, traços biográficos de Oswaldo Cruz, doença de Chagas, la peste, verificação da sensibilidade dos roedores da região neotrópica, le trachome, o problema da peste roedores silvestre no nordeste brasileiro, alguns aspectos das relações hospedeiro-parasito entre as frases larvárias do trematódeo schistosoma mansoni e o molusco australorbis glabratus, temas oftalmólogicos, contribuição ao diagnóstico parasitológico da leishmaniose visceral, Oswaldo Gonçalves Cruz-opera omnia, a bilharziose mansônica e o desenvolvimento nordestino, onde os alunos pegam esquistossomose, painel do programa especial de controle de esquistosomose, esquistossomose pulmonar, guide pour la lutte contre le trachome, programa integrado de doença endêmicas, esquistossomose mansônica urbana, a memória da tuberculose, Oswaldo Cruz o médico do Brasil, esquistossomose mansoni, medical parasitology, doenças transmissíveis, la peste, faceur de regulation des pupulations de meions au kurdistan iranien.

Sophia Theodora Carneiro Lins

  • BR RJCOC PC-VP-FC-19
  • Dossiê
  • 16/04/1916 - 2003
  • Parte de Paulo Carneiro

Comprovantes de empréstimos, cartões postais, cartas bilhetes, bilhetes postais, vales, poesias, ensaios, receitas médicas, cartões, bilhetes, apontamentos, convites, publicações, discursos, hinos, fotografias.

Agenor Mendes Filho

Entrevista realizada por Maria Eugênia Noviski Gallo, em Recife (PE), no dia 25 de setembro de 2002.
Sumário
Fita 1 – Lado A
Informações sobre a formação escolar em Maceió e a mudança para Recife, com a família, em 1956; o diagnóstico recebido de hanseníase e o impedimento de realizar o vestibular para Medicina, em 1957; o tratamento com Sulfona e Rifampicina e a alta médica recebida em 1961; a realização do Curso Superior de Biblioteconomia, na UFPE concluído em 1958, o trabalho na faculdade de Direito e na escola de Engenharia e o ingresso na Faculdade de Medicina em 1962; comentários sobre a passagem pelo Hospital Santo Amaro, em Recife, a escolha pela especialização em Dermatologia e a transferência para a Clínica de Dermatologia, chefiada pelo professor Jorge Lobo; comentários sobre a formação acadêmica em 1967, a entrada como sócio na Sociedade Brasileira de Dermatologia em 1968 e a participação no Congresso Brasileiro de Dermatologia, em 1969, realizado em Recife; o trabalho no ambulatório de hanseníase nas Universidades Federais de Pernambuco e do Pará (UFPA) e o contato com outros profissionais, como Maria Leide W. de Oliveira e Marcos Virmond; comentário sobre a mudança do Hospital Santo Amaro para o Hospital das Clínicas, na Cidade Universitária, em 1988, sobre a implementação do serviço de fisioterapia e as pesquisas oftalmológicas do bacilo de Hansen na lágrima, na Fundação Altino Ventura, em 1990; a respeito de sua aposentadoria em 1991 e o fim do serviço de Dermatologia; sobre o estigma que envolve a hanseníase e o Morhan; o tratamento e as reações causadas pela doença.

Fita 1 – Lado B
Comentários sobre seu consultório particular e a impossibilidade de atender, nesse local, pacientes com hanseníase; relatos sobre os pacientes e a poliquimioterapia; considerações sobre os primeiros sintomas da hanseníase na adolescência, em Maceió, e o tratamento realizado em Pernambuco pelo médico e professor Jorge Lobo; a formação de uma junta médica presidida pelo professor Jarbas Pernambucano e a dificuldade do diagnóstico preciso de hanseníase; comentários sobre as sequelas ocasionadas pela doença, e como estas não impedem a vida normal do paciente; o atendimento no ambulatório até 1990 e o fato de não ter sido reconhecido oficialmente como professor da UFPE; comentários sobre René Garrido e Diltor Opromolla e a satisfação em trabalhar como médico dermatologista.

Cartas

  • BR RJCOC CE-VP-RS-03
  • Dossiê
  • 27/09/1954 - 02/2001
  • Parte de Celso Arcoverde

Paulo Cavalcanti

Cartas

  • BR RJCOC JJ-VP-RS-01
  • Dossiê
  • 05/09/1961 - 18/12/2001
  • Parte de José Jurberg

Luiz de Queiroz; Suely Brasílio de Almeida; Teresa Vargas de Escobar

Recortes de Jornais

  • BR RJCOC CE-VP-LP-02
  • Dossiê
  • 11/10/1957 - 17/08/2001
  • Parte de Celso Arcoverde

Inclui Jornal do Brasil, Folha de São Paulo, O Globo, Diário de Pernambuco e Jornal do Comércio.

Jornais

  • BR RJCOC CE-VP-LP-07
  • Dossiê
  • 31/12/1972 - 13/11/2000
  • Parte de Celso Arcoverde

Inclui Jornal do Brasil, Diário de Pernambuco e Le Monde.

Cartas

Carlos Ribeiro; Dirceu Rodrigues; Ernesto Reichmann; Eudoro Lemos; Fernando López Fernández; Fundação Lenore Schwartz; Geigy do Brasil S.A.; Harry Smith; Ivan Santiago; Julio César Galán; Luiza Pires Cabral; Maria de Lourdes Soares; Maria José Conceição; Richard Warren; Ruth Abramson; Vera Lopes; Roberto Pasqualin

Gestor da Secretaria Estadual de Saúde do Rio de Janeiro

  • BR RJCOC CA-GI-AI-02.v.1-v.8
  • Dossiê
  • 1965 - 1998
  • Parte de Cláudio Amaral

Reúne apontamentos, apostilas de cursos, artigos, atos administrativos, cartas, convites, informativos, informes técnicos, jornais, listas de projetos, listas de redes hospitalares, manuais, ofícios, ordens de serviços, questionários, organogramas, planos ação, programas, projetos, propostas, prospectos, publicações, recortes de jornais, relatórios, resumos, tabelas, textos, cartazes e trabalhos escolares.

Propostas

  • BR RJCOC SH-18
  • Dossiê
  • 11/1989 - 05/1997
  • Parte de Sarah Hawker

Chefe do Departamento de Entomologia do Instituto Oswaldo Cruz

  • BR RJCOC JJ-GI-AI-07.v.01-v.10
  • Dossiê
  • 17/01/1991 - 1997
  • Parte de José Jurberg

Memorandos, relatórios de atividades, relatórios de viagens, relatórios técnicos de instalação, relatórios de reunião, relatórios sobre as condições das coleções entomológicas sistemáticas, atos da presidência, listas de equipamentos elétricos, listas de funcionários do departamento de entomologia, lista nominal de todos que entregaram relatórios de atividades, lista de beneficiados com o último suprimentos de fundos, listas de bens de terceiros do departamento de entomologia, listas de materiais de consumo de uso comum, listas de presença, listas de correspondências, listas de aluns do curso de especialização em entomologia, listas de servidores, listas de materiais sem movimentação no almoxarifado central, listas sintéticas de saída de material por requisitante, lista de assinaturas, listas de funcionários e pesquisados pós-graduados, listas de telefones dos setores do departamento, lista dos telenes da fundação Oswaldo Cruz, listas do pessoal técnico-científico de nível superior do departamento, atas de reunião, cartas, recibos de entrega de bilhetes de passagens aéreas, recibos de devolução de equipamentos, recibos de pagamentos, resoluções, declarações, requisições de materiais, notas fiscais, procurações de dados para cadastro e solicitação de passagens, solicitações de empréstimos de material, solicitações de serviços, solicitações de serviços, solicitações de listagens de produtos químicos, solicitação de suprimentos de fundos, comprovantes de pagamentos, comprovantes de transferência bancária, comunicados, convites, programas de eventos, programas de cursos, cartazes, ofícios, catálogos, fichas de bem patrimonial, fichas de cadastro de bolsistas e estagiários, fichas de insetos da coleção Rodolfo Carvalho, propostas para experimentação animal, propostas do departamento de entomologia aos candidatos a diretor do Instituto Oswaldo Cruz, propostas de reformulação da estrutura organizacional das atividades do Instituto Oswaldo Cruz, propostas de fornecedores, roteiros para operacionalização dos dispositivos do ato de presidência, roteiro de atividades, roteiros para avaliação de desempenho, roteiros para relatório anual, prospectos, balanços, termos de responsabilidade, termo de opção, autorizações, apontamentos, portarias, guias de remessa, guias de arrecadação, guias de movimentação de processos, dossiê: benefício-tíquete refeição, instruções para o preenchimento do formulário do programa de importação, instruções para o preenchimento do formulário do programa de importação, instruções de preenchimento do levantamento de necessidade de treinamento-LNT, instruções para autores, instruções normativas, faturas, certificados, cartas abertas, processos administrativos, bilhetes, recortes de jornais, informativos, despachos, exames médicos, dossiê: benefício-vale-transporte, atestados médicos, notas de fornecimento de material, acordos, avisos, diretrizes, formulários de inscrição para bolsa de iniciação científica, formulários de recursos de outras fontes nos laboratórios do Instituto Oswaldo Cruz, projetos de restauração, manutenção, atualização e informatização da coleção entomológica, projetos de pesquisas, anteprojetos, planos de estudos do pós-graduado, planos de metas e objetivos, cautelas, organogramas, regulamentos, plantas baixas, currículos, quadros demonstrativos de programa de importação, quadros demonstrativos do suprimento de fundos-DARF, quadros demonstrativos de diagnósticos do espaço físico e instalações dos departamentos, quadros demonstrativos de prestação de contas, quadros demonstrativos de programação de férias.

Ageu Magalhães Filho

Sumário
Fita 1 - Lado A
A trajetória profissional de Aggeu Magalhães (pai); o trabalho científico do pai nos EUA; referência a Agamenon Magalhães; a criação do Serviço de Verificação de Óbitos (SVO); o descobrimento da esquistossomose em Pernambuco e a gastroenterite infantil no SVO; a produção de estatística anual de causa mortis; a Fiocruz e o financiamento de projetos ligados à esquistossomose; a Fundação Rockefeller e a relação com o SVO; a articulação para a criação do centro de helmintoses de Pernambuco; o falecimento do pai; as instalações do Instituto Aggeu Magalhães (IAM).

Fita 1 - Lado B
O seu trabalho na anatomia patológica do IAM; a gestão de Durval Lucena; os avanços na pesquisa da esquistossomose nos EUA; a bolsa de estudos; o retorno da pós-graduação para o Departamento de Anatomia Patológica; a relação do IAM com a Divisão de Organização Sanitária (DOS); o Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães (CPqAM) após 1964; o convênio entre a Fundação Kellogg e a UFPE; a criação do Núcleo de Imunopatologia na UFPE; a possibilidade de fechamento do CPqAM; o contato com Keizo Asami; sua gestão no CPqAM; o convênio com a FINEP para a produção de antígenos; transferência de Célio e Alzira para Recife; as conquistas científicas no campo da peste e no estudo de bactérias; o projeto com o Japão.

Fita 2 - Lado A
O Acordo UFPE/Fiocruz para a construção do novo prédio do CPqAM; a movimentação política para a aprovação do acordo; a construção do Laboratório de Imunopatologia Keizo Asami (LIKA); a ligação da UFPE com a Fiocruz; o convênio com o Japão; o financiamento da OMS para a construção do LIKA e do CPqAM; o CPqAM e o trabalho sobre filariose; a participação de dr. Frederico; a reforma na estação de campo de São Lourenço da Mata; EXU e a ligação com o Ministério da Saúde; a articulação política para montar uma escola de saúde pública em Pernambuco; o Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva (NESC); a filariose e a esquistossomose.

Fita 2 - Lado B
Celeuma médica: aspectos ineficientes do tratamento com antimônio; a tecnologia avançada do LIKA; o novo tratamento para a esquistossomose; as dificuldades do LIKA; o apoio do Japan International Cooperation Agency (JICA); o Instituto de Antibióticos; a sua saída da direção do CPqAM; a atuação política de Aggeu Magalhães (pai); as perseguições políticas aos familiares de Agamenon Magalhães; a formação humanística de Aloísio Magalhães.

Fita 3 - Lado A
Lembranças da infância; a adolescência: as professoras e a convocação para as forças armadas; a vida na época da universidade; a clínica médica e o início da profissão; a faculdade e o trabalho de pesquisa.

Fita 3 - Lado B
Impressões sobre literatura e ciência; opiniões sobre política e educação; o curso de medicina; hospitais ligados ao estado de Pernambuco e à Santa Casa da Misericórdia; Aloísio Magalhães.

Fita 4 - Lado A
Aloísio Magalhães e o tombamento de Manguinhos (Fiocruz/RJ); a cadeira de anatomia patológica da UFPE e o Hospital Pedro lI; a boemia no bairro do Recife; a mulher americana; comentários sobre a energia e o mundo; Agamenon Magalhães, Aggeu (pai) e a influência na sua vida; a violência política dos anos 1930.

Fita 4 - Lado B
A política de Agamenon no estado: impostos, mocambos e o governo federal; o trabalho na Universidade da Paraíba; descreve o início da sua carreira como médico no Instituto Oswaldo Cruz; a criação da Faculdade de Ciências Médicas de Pernambuco e o Hospital do Sancho.

Alexandre Bezerra de Carvalho

Sumário
Fita 1 - Lado A
Lembranças da infância e da cidade onde nasceu; as características de sua família; menção ao pai, médico; a influência do pai e da família na opção pela formação médica; lembranças do ambiente familiar; lembrança da morte de um dos seus irmãos; a influência do pai em sua vida de pesquisador; a mudança para Recife; o curso de Medicina Preventiva no IMIP; a ida para São Paulo; seu ingresso no Hospital das Clínicas em São Paulo; o concurso público para o Hospital dos Servidores do Estado de São Paulo; as consequências pela aprovação no concurso; sua participação na criação de um grupo especializado em fígado; referência a um acidente sofrido em São Paulo; a volta para Campina Grande (PB); o retorno para Recife; seu ingresso no Hemope; a saída do Hemope; o convite de Aggeu Magalhães para ingressar no CPqAM; considerações sobre sua carreira acadêmica; seu ingresso no governo como Secretário adjunto de Saúde do Estado; considerações sobre sua vida pública; lembranças da infância e da vida escolar; a relação com o pai; o acidente com seu irmão e as consequências na família; o suicídio de um outro irmão; o acidente com uma irmã; considerações da mudança para Recife; lembranças de sua estada no Hospital da Aeronáutica; as relação com o pai; o consultório em Boa Viagem; considerações sobre a Fundação SESP; a aptidão para o piano; a opção pela medicina; lembranças do ginásio; considerações sobre o Colégio Estadual de Campina Grande; o acidente com seu irmão; as experiências e dúvidas na juventude; o vestibular para medicina; o desejo na juventude de estudar física nuclear; a sua formação humanística; lembranças de sua prisão no golpe de 1964; o seu apartidarismo; a época universitária; o Teatro Popular do Nordeste; sua participação no meio artístico e cultural; sua atuação nas boates de São Paulo como pianista; a opção pela medicina.

Fita 1 - Lado B
Lembranças do seu acidente em São Paulo; a volta para Campina Grande; considerações sobre a Faculdade de Medicina de Campina Grande; referência à sua esposa; a vinda para Recife; o ingresso no Hemope; considerações sobre o Hemope; referência aos seus estudos sobre sangue; a montagem de um banco de sangue com o seu pai; sua formação em clínica; referência a uma irmã; considerações sobre Aggeu Magalhães; considerações sobre as relações entre o CPqAM e a universidade; considerações sobre as relações entre o CPqAM e a Secretaria de Saúde do Estado; a ligação do CPqAM com o DNERu; a ligação do CPqAM com a FNS; o início das relações entre o CPqAM e a universidade; considerações sobre a transferência do CPqAM para o campus da UFPE; as relações do CPqAM com o LIKA; seu ingresso no CPqAM; a atuação dos diretores do CPqAM com quem trabalhou; o papel do governo japonês; as relações entre a universidade e a JICA; as relações entre a universidade, a JICA e a Fiocruz; a reforma no CPqAM; sua ida para a Secretaria de Saúde; sua atuação na campanha de combate à cólera; considerações sobre o SUS; a volta ao CPqAM; as relações do CPqAM com os outros centros de pesquisas ligados à Fiocruz.

Fita 2 - Lado A
Considerações sobre o relacionamento do CPqAM com os outros centros ligados à Fiocruz; os financiamentos do CPqAM; considerações sobre a Fiocruz; referência a seu trabalho no CPqAM; o trabalho com o Hemope; considerações sobre um Instituto de Saúde de Pernambuco; referência a uma viagem a Washington; sua formação de recursos humanos; referência ao setor saúde no Brasil; seu interesse na área da saúde pública; o trabalho dos irmãos e do pai; o afastamento de suas irmãs do piano; referência a seus filhos; considerações sobre a informática; relação entre o curso médico e outros cursos; considerações sobre as transformações no mundo; as mudanças no perfil dos médicos; considerações sobre a robótica e a medicina; as mudanças nos currículos dos cursos de medicina; referência ao seu gosto pela medicina.

Resultados 1 a 30 de 387