Item 37 - Rubem David Azulay

Área de identificação

Código de referência

BR RJCOC 05-06-01-01-01-06-37

Título

Rubem David Azulay

Data(s)

  • 2001 (Produção)

nível de descrição

Item

Dimensão e suporte

Documentos sonoros: 3 fitas cassete e 3 CD's (2h20min; cópia digital)

Área de contextualização

Nome do produtor

História arquivística

Entrevista realizada por Laurinda Rosa Maciel, Maria Leide W. de Oliveira e Márcio Campista, no Rio de Janeiro (RJ), nos dias 09 e 17 de outubro de 2001.

Procedência

Área de conteúdo e estrutura

Âmbito e conteúdo

Sumário de assuntos
Fita 1 – Lado A
Lembranças da infância e o primeiro contato com a hanseníase; admiração pelo livro "La contagion de la lèpre en l'état de la science", de Zambaco Pacha; formação escolar no Colégio São Geraldo Magela, no Pará; o ensino primário, os castigos aplicados pelos professores e a educação rigorosa no Ginásio Paraense; a família, os irmãos; a experiência como líder estudantil e orador do diretório ginasial; o interesse pela medicina; a revista do diretório; a publicação da foto do major Barata na primeira página do jornal do diretório, como forma de agradecimento pelo dinheiro oferecido para ajudar na elaboração da revista; a oposição de Jarbas Passarinho ao major Barata; o projeto de lei para transformar o curso ginasial; a dificuldade financeira em pagar o pré-vestibular, e o primeiro lugar obtido no vestibular; a Faculdade de Medicina e Cirurgia do Pará e sua graduação; a excursão com
a caravana do major Barata, em 1935, e a bolsa oferecida pelo governo para ingressar na faculdade, em 1936; o impeachment de Barata, em setembro de 1936, e a perda da bolsa de estudos; a difícil situação econômica dos pais; a abertura do curso de Histologia; a transferência para o Rio de Janeiro no terceiro ano da graduação; a União Democrática Estudantil e a experiência como orador, o discurso no Teatro da Paz e a suspeita de comunismo.

Fita 1 – Lado B
Sobre os motivos da mudança do Pará para o Rio de Janeiro, em 1938, e lembranças dessa viagem; o ingresso na Faculdade Fluminense de Medicina, a moradia na pensão de dona Buzuga e a descoberta de que estava tuberculoso; a relação com o professor Parreiras Horta, o período de repouso em Itaipava e comentários sobre o tratamento e estigma da tuberculose; o primeiro encontro com sua esposa Ester, com quem viveu por mais de 60 anos; o concurso para Manguinhos entre
1939 e 1940; o Curso de Aplicação no IOC no sexto ano da graduação; relato sobre professores, alunos, disciplinas, duração do curso e a premiação recebida com a medalha de ouro confeccionada por sua mãe; os critérios para a nomeação de pesquisador do IOC; o curso de lepra do professor Heráclides César de Souza-Araújo, no âmbito do Curso de Aplicação do IOC; o concurso para
laboratorista do IOC e a suspeita de discriminação sofrida por ser judeu; o ingresso na carreira universitária e os problemas com o concurso para a Faculdade de Medicina e Cirurgia do Pará; o retorno para Belém, após a formatura, e a volta para o Rio de Janeiro, após curta permanência na terra natal.

Fita 2 – Lado A
A vida profissional na UFF, os cargos ocupados e a melhoria na infraestrutura da faculdade; o início do curso de pós-graduação em dermatologia, a criação do primeiro curso de mestrado em dermatologia do Brasil, o começo da internação de doentes de hanseníase em hospitais universitários, os motivos de sua saída da UFF; a vida profissional na UERJ; o início da carreira como assistente do professor Hildebrando Portugal, a direção do professorado de dermatologia, o início do curso de pós-graduação em dermatologia na UERJ e comentários sobre alguns alunos formados; o concurso para preenchimento da vaga deixada pelo professor Eduardo Rabello e a disputa com o professor Sílvio Fraga; a vida profissional na UFRJ; a retomada da pós-graduação e a criação do doutorado na UFRJ; sua aposentadoria e a entrada do professor René Garrido Neves; a volta para a Santa Casa da
Misericórdia, a chefia de serviço e a pós-graduação; o cargo de professor de graduação na Universidade Gama Filho, na Universidade Souza Marques e na Pontifícia Universidade Católica; comentários sobre a Santa Casa da Misericórdia, a permanência no IL, os cargos ocupados, produção científica, o trabalho realizado no Instituto; a primeira experiência utilizando a vacina BCG; a
viagem para os Estados Unidos e os cursos em Carville e no Skin and Cancer Unit.

Fita 2 – Lado B
O curso realizado nos Estados Unidos e sua produção científica; o contato com a hanseníase durante a vida acadêmica e seu tratamento através do isolamento compulsório; sua experiência profissional, lembranças e casos; a situação social dos doentes com hanseníase; sobre a Campanha Nacional contra a Lepra e o combate à doença durante e depois dela; os professores Francisco
Rabello, filho de Eduardo Rabello, e Luiz Marino Bechelli e a mudança do nome ‘lepra’ para ‘hanseníase’; relato sobre Abraão Rotberg e sua teoria Fator N de Rotberg (fator natural que impede, ou não, que se tenha a doença); sua participação nas Comissões de Alta na década de 1950 e os trabalhos científicos realizados nesse período; a política contida nas Comissões de Alta, quem e
quantos eram os participantes dessas Comissões e as mudanças com os novos tratamentos para a hanseníase; o que era necessário para que obtivesse alta; a existência, ou não, da cura da hanseníase, e os critérios da OMS em relação à cura; as políticas de controle da hanseníase e as divergências entre sanitaristas e epidemiologistas; sobre o professor Ernani Agrícola e o incentivo à produção científica; sobre Eunice Weaver e a bolsa de estudos oferecida ao depoente pelo primeiro lugar no curso de lepra; sobre a promiscuidade nos hospitais-Colônia; a separação dos filhos dos pais, portadores de hanseníase, e a permanência de crianças em preventórios.

Fita 3 – Lado A
Um pouco sobre a história da lepra e de outras doenças infecciosas: a origem da palavra lepra, Moisés como primeiro sanitarista, a lepra, a Bíblia e Jesus Cristo; a entrada em Jerusalém, Cristo como traidor, a ressurreição; lições deixadas para os técnicos mais jovens; o estigma negativo que envolvia a palavra ‘leproso’; possíveis diferenças existentes entre lepra e hanseníase; sobre os
professores Daniel C. Danielssen e Gerhard Armauer Hansen; as diferentes classes sociais e a lepra; aspectos religiosos: a origem do monoteísmo e do “amor ao próximo”, a perseguição aos judeus e sua origem, assim como a da religião católica e da Igreja; alguns aspectos do judaísmo; problemas trazidos com a mudança do nome ‘lepra’ para ‘hanseníase’; lembranças sobre um paciente; outras observações sobre o professor Abraão Rotberg; a perseguição aos judeus e a contribuição científica destes à medicina; a medicina nas antigas civilizações.

Avaliação, selecção e eliminação

Ingressos adicionais

Sistema de arranjo

Transcrição integral e sumário de assuntos

Área de condições de acesso e uso

Condições de acesso

Sem restrição

Condições de reprodução

Sem restrição

Idioma do material

Forma de escrita do material

Notas ao idioma e script

Características físicas e requisitos técnicos

Instrumentos de pesquisa

Área de fontes relacionadas

Existência e localização de originais

Existência e localização de cópias

Unidades de descrição relacionadas

Descrições relacionadas

Nota de publicação

MACIEL, Laurinda Rosa. ‘Memórias e narrativas da lepra/hanseníase: uma reflexão sobre histórias de vida, experiências do adoecimento e políticas de saúde pública no Brasil do século XX’, In História Oral, v. 20, n. 1, p. 33-54, jan./jun. 2017.
Disponível em: <http://revista.historiaoral.org.br/index.php?journal=rho&page=article&op=view&path%5B%5D=696&path%5B%5D=pdf>

Área de notas

Nota

Resenha biográfica
Rubem David Azulay nasceu em 09 de junho de 1917, em Belém, Pará. Como o estado possuía um dos maiores índices de casos de hanseníase no Brasil, Azulay desde a juventude já se interessava pelo tema. Admirado por História Natural das espécies e da evolução humana, decidiu ingressar no curso de Medicina. Iniciou a graduação em 1935, na Faculdade de Medicina e Cirurgia do Pará. Em 1938 transferiu-se para a Faculdade Fluminense de Medicina, em Niterói, Rio de Janeiro; ali teve início sua atividade profissional com a dermatologia, pois passou a estagiar no ambulatório da Policlínica de Niterói. Entre 1940 e 1941 fez o curso de aplicação do Instituto Oswaldo Cruz em Manguinhos, Rio de Janeiro. De 1945 a 1946, ganhou uma bolsa de estudos da Leonard Wood Memorial e da OMS. Em 1953, ganhou outra bolsa da OMS para fiscalizar o ensino de dermatologia em diversos países da Europa, como França, Holanda, Alemanha e Itália. Em 1954, passou no concurso para Professor Titular da Universidade Federal do Pará (UFPA). No ano seguinte, foi aprovado para a UFF, onde exerceu os cargos de professor interino, assistente voluntário, assistente real, livre-docente, professor titular e diretor. Também foi Professor Titular na Faculdade de Ciências Médicas do Rio de Janeiro, de 1970 a 1977, e na UFRJ, entre 1977 e 1990. O dr. Azulay instituiu os primeiros cursos de pós-graduação em dermatologia no Brasil, nas principais Universidades do Rio de Janeiro: UERJ, UFRJ e UFF. Além disso, presidiu as mais importantes associações médicas voltadas para a área da dermatologia, como por exemplo, a Sociedade Brasileira de Dermatologia. Foi um dos fundadores da Associação Brasileira de Leprologia, do Colégio Ibero-Latino, da Reunião Anual dos Dermatólogos Latino-Americano (Radla) e da International Society of Dermatology. Trabalhou no Instituto de Leprologia (IL), do Serviço Nacional de Lepra (SNL), e foi chefe da Turma de Anatomia Patológica. Nesse Instituto teve a oportunidade de realizar inúmeras pesquisas em hanseníase, e uma das mais importantes foi verificar a ação do BCG na profilaxia da doença. O dr. Azulay trabalhou com as crianças internas nos preventórios e as dividiu em dois grandes grupos, dando a apenas um deles a vacina BCG oral; as crianças que não ingeriram a vacina tornavam-se mitsuda-positivos. Com base nesse experimento, apresentou um trabalho em 1938 no V Congresso Internacional de Lepra, realizado em Cuba, onde pela primeira vez foi proposta da utilização da BCG na profilaxia da doença. Em 1962, ocupando o lugar de presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia e para comemorar os 50 anos de sua criação, o dr. Azulay promoveu uma reestruturação no sentido de torná-la mais nacional; assim, foram criadas as Seções Estaduais, além dos cursos de pré-congresso na Reunião Anual de Dermatologia. Em 1970, tornou-se membro da Academia Nacional de Medicina, foi eleito presidente em 1995 e permaneceu no cargo até 1997. Durante sua longa trajetória profissional recebeu inúmeros prêmios e títulos, como o de Cidadão do Estado da Guanabara, em 1973, e o prêmio de Médico do Ano em 1999, concedido pela Sociedade de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro. O dr. Azulay foi um dos primeiros dermatologistas a autorizar a internação de casos de hanseníase em enfermarias de Dermatologia nos hospitais universitários do Brasil. Deu imensa contribuição à medicina com seus trabalhos sobre a hanseníase, mas também em leishmaniose e micoses; é autor de centenas de trabalhos, um Compêndio de Dermatologia e seis teses médicas. Após sua aposentadoria compulsória, passou a atuar unicamente nas faculdades particulares do Rio de Janeiro, como Gama Filho, Souza Marques e Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Foi chefe do Instituto de Dermatologia da Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro. Faleceu em agosto de 2013.

Notação anterior

Pontos de acesso

Ponto de acesso - assunto

Ponto de acesso - local

Ponto de acesso - nome

Pontos de acesso de género

Área de controle da descrição

Identificador da instituição

Regras ou convenções utilizadas

Status da descrição

nível de detalhamento

Datas de criação, revisão, eliminação

Fontes utilizadas na descrição

Zona da incorporação

Entidades coletivas, pessoas ou famílias relacionadas

Géneros relacionados

Lugares relacionados