Ermiro Estevam de Lima

Área de identificação

Tipo de entidade

Pessoa

Forma autorizada do nome

Ermiro Estevam de Lima

Forma(s) paralela(s) de nome

  • Ermiro Lima

Formas normalizadas do nome de acordo com outras regras

Outra(s) forma(s) do nome

identificadores para entidades coletivas

Área de descrição

Datas de existência

1901-1997

História

Nasceu na cidade de Bezerros (PE) no dia 26 de outubro de 1901. Viveu sua infância e adolescência no interior daquele Estado. Seu pai era um pequeno industrial, dono de uma fábrica de doces e conservas. Sua família era bastante numerosa: tinha sete irmãos, dois dos quais seguiram a carreira médica. Quando jovem, desejava tornar-se engenheiro mecânico. Sua opção pela medicina sofreu, forte influência de Paulo Afonso, médico do interior, muito amigo da família. Seu ingresso na carreira se fez sem que nenhum antepassado o ajudasse a iniciar a profissão. Seguindo a recomendação de Paulo Afonso, ingressou na Faculdade de Medicina da Bahia (1921) formando-se quatro anos mais tarde. Durante o período da faculdade, foi auxiliar de ensino de dois médicos que gozavam de grande prestígio científico e político na época: Eduardo de Moraes, otorrinolaringologista, e Álvaro Fróes da Fonseca, anatomista. Após diplomar-se médico, voltou à sua terra natal, onde instalou uma clínica que contava com serviço de farmácia e obstetrícia. Muitas vezes, para visitar seus clientes, residentes nas áreas mais distantes, deslocava-se a cavalo. Sua clientela, em geral, tinha baixo poder aquisitivo e, por esta razão, raramente ele estipulava o valor da consulta. Algumas vezes, chegou a ser pago com galinhas, porcos e outros animais domésticos. Em 1928, a convite de Fróes da Fonseca, estabeleceu-se no Rio de Janeiro. Sua vida profissional alterou-se fundamentalmente com a vinda para a capital da República. Logo ao chegar, introduziu-se na carreira universitária, sendo aprovado no concurso de livre-docência de anatomia humana da Faculdade Nacional de Medicina. Dez anos depois, conquistou a cátedra de anatomia da Faculdade de Odontologia da Universidade do Brasil. Em 1944, apesar de ter-se destacado no concurso para a cátedra de otorrinolaringologia da Faculdade Nacional de Medicina da Universidade do Brasil, não conquistou a vaga; esta coube, por votação, a David Sanson. Este fato, no entanto, contribuiu para elevar seu prestígio entre médicos, alunos e clientes. Como clínico otorrinolaringologista, conciliou sua atuação no consultório particular com a atividade na Policlínica Geral do Rio de Janeiro, no Hospital São Francisco de Assis e no Hospital dos Servidores. Em 1953, foi convidado a exercer a presidência da Associação Médica do Distrito Federal (AMDF). Neste período, iniciava-se a greve da Letra "O", que tinha por objetivo o enquadramento dos médicos do serviço público federal no nível mais alto no plano de carreira do funcionalismo: a letra O (projeto de lei n° 1.082/50). No seu entender, este movimento não tinha um caráter meramente pecuniário, ele buscava garantir o prestígio e o reconhecimento social do médico. Ao longo de quatro anos, muitas paralisações foram realizadas visando a aprovar o projeto de lei n° 1.082/50. Havia resistências no seio da categoria quanto à necessidade deste movimento. Tanto a Associação Médica Brasileira (AMB) quanto o Sindicato dos Médicos divergiam em relação a este tipo de encaminhamento. Em dezembro, o presidente Café Filho vetou o projeto de lei que estava em tramitação no Congresso Nacional, mas garantiu o aumento salarial previsto. Apesar de não ter sido vitoriosa, a greve da Letra "O" representou o primeiro esforço reivindicatório da categoria médica no Brasil. Ainda integrou a primeira diretoria do Conselho de Medicina do Distrito Federal (1957). Logo que terminou a greve, voltou a atuar na universidade, nos estabelecimentos de assistência médica às coletividades e em seu consultório. Em 1959, conquistou a vaga da cátedra de otorrinolaringologia na Faculdade Nacional de Medicina da Universidade do Brasil. Seu nome se confunde, hoje em dia, com a história da otorrinolaringologia no Brasil. Faleceu em 25 de fevereiro de 1997.

Locais

Bezerros (PE), nasc.

Status legal

Funções, ocupações e atividades

Membro da Academia Nacional de Medicina, 1963-1997; Emérito, 1990-1997

Mandatos/Fontes de autoridade

Estruturas internas/genealogia

Contexto geral

Área de relacionamento

Área de controle da descrição

Identificador do registro de autoridade

Identificador da instituição

Regras ou convenções utilizadas

ISAAR(CPF): norma internacional de registro de autoridade arquivística para entidades coletivas, pessoas e famílias.

Status da descrição

nível de detalhamento

Datas das descrições (criação, revisão e remoção)

Idioma(s)

Escrita(s)

Fontes utilizadas na descrição

Academia Nacional de Medicina. Membros. Disponível em <http://www.anm.org.br/conteudo_view.asp?id=302&descricao=> Acessado em junho de 2020.

Notas de manutenção