Dossiê 07 - Registro de material publicitário em fita cassete

Área de identificação

Código de referência

BR RJCOC LA-DP-IC-07

Título

Registro de material publicitário em fita cassete

Data(s)

  • 11/1977 (Produção)

nível de descrição

Dossiê

Dimensão e suporte

Documentos sonoros: 1 item (registro de material publicitário em fita cassete; 1h04min12seg; arquivo digital)

Área de contextualização

Nome do produtor

História arquivística

Procedência

Área de conteúdo e estrutura

Âmbito e conteúdo

O material foi produzido por MEDISOM e se trata de um depoimento para Revista Médica Falada. Gravação em fita cassete de material publicitário do medicamento Rimactazida (300mg de rifampicina/150mg de isoniazida) produzido pela Ciba intitulado “O movimento lógico no tratamento da tuberculose” – Quimioterapia da Tuberculose Pulmonar (profs. Drs. Jayme dos Santos Neves e Germano Gerhardt Filho). Primeira associação fixa de RMP+INH; dose única diária de 2 drágeas, possibilidade de tratamento a curto prazo, rápida negativação do escarro e menor custo global de tratamento.

Avaliação, selecção e eliminação

Ingressos adicionais

Sistema de arranjo

Sumário de assuntos

Área de condições de acesso e uso

Condições de acesso

Condições de reprodução

Idioma do material

  • português

Forma de escrita do material

Notas ao idioma e script

Características físicas e requisitos técnicos

Instrumentos de pesquisa

Área de fontes relacionadas

Existência e localização de originais

Existência e localização de cópias

Unidades de descrição relacionadas

Descrições relacionadas

Área de notas

Nota

Sumário: Poliana Orosa Rodrigues

  • 0:00 a 15:00 minutos:

O documento começa com o narrador falando a respeito da situação da tuberculose no Brasil e sua evolução. Fala das iniciativas governamentais de combate à endemia, médicos, assim como da Revista Médica Falada. A seguir, introduz os dois depoentes, o doutor Jayme dos Santos Neves, professor de epidemiologia do Centro Biomédico da Universidade Federal do Espírito Santo, e o doutor Germano Gerhard Filho, chefe de clínica do Instituto de Fisiologia e Pneumologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Jayme dos Santos começa a falar sobre a quimioterapia da tuberculose e seu processo de tratamento. Dr. Jayme diferencia a cura clínica da cura epidemiológica da tuberculose, e afirma que a cura do paciente (cura clínica) é a regra e o combate à doença, visando a diminuição de sua incidência, o que ainda é exceção e um desafio maior. O tratamento individual é simples e com a combinação correta de drogas é atingido quase invariavelmente; o tratamento coletivo é um problema de logística administrativa de acordo com o depoente. A seguir Jayme dos Santos Neves descreve as fases de ataque e manutenção e as combinações de drogas usadas nas duas para alcançar o objetivo desejado. As premissas para o tratamento coletivo são diferentes e mais complexas do que para o tratamento individual. O tratamento epidemiológico tem que ser simples, barato, eficaz, tolerável, oral e realizado no ambulatório, supervisionado e curto. A partir daí, o médico exclui algumas combinações de drogas para o tratamento, por serem longas, ou caras demais, e explicita as combinações que tornam esse tratamento mais eficaz, barato e simples. Ele cita dados sobre casos, curas e abandonos de tratamento na América do Sul e os compara a dados obtidos em outros lugares do mundo. visando comprovar que os resultados de cura e abandono são um fracasso.

  • 0:15 a 0:30 minutos:

Comenta sobre as razões pelas quais o tratamento acaba sendo interrompido e conclui que para o tratamento ter eficácia é preciso ampliar a descoberta de casos e introduzir o medicamento logo no início do diagnóstico, sendo necessária a mobilização de todas as unidades sanitárias no movimento anti tuberculose. Fala da importância dos exames de diagnóstico e também na distribuição dos medicamentos, além da importância em encurtar o tratamento para que seja mais facilmente comercializado; a adoção de tratamentos curtos também ajuda para que o paciente não o abandone e o médico apresenta dados mostrando que o número de abandonos em tratamentos curtos é perceptivelmente menor do que em tratamentos mais longos. Mostra que através da utilização de esquemas curtos em massa de tratamento se poderia chegar à extinção da tuberculose. Cita países como Argentina, Índia e outros que utilizam o esquema de tratamentos de 6 meses e tiveram significativos resultados; apresenta também esquemas de tratamentos com 4 e 3 meses, mas que obtiveram números expressivos de recidiva. O médico explica que o tratamento é de 3 meses e mesmo assim tem impacto epidemiológico na regressão das infecções, e que para ter sucesso em regimes curtos é essencial o uso de duas drogas: rifampicina e isoniazida na face agressiva. Explica o uso dos medicamentos na fase de ataque e a fase de manutenção da doença, em período de tratamento curto que obtém resultados visíveis já nos primeiros 30 dias. Comenta tratamentos de curto prazo, apresentando dados que confirmam que 70% dos casos teve seu tratamento finalizado em quatro meses, sendo um mês para fase agressiva e os outros três para manutenção. 20% obteve seu tratamento finalizado em cinco meses, dois meses para a fase agressiva e os outros três para fase de manutenção e apenas 10% finalizou o tratamento em seis meses, três para fase de ataque e mais três para fase de manutenção. Afirma que o único elemento que contraria o tratamento é o valor alto das medicações, mas que os tratamentos curtos além de terem resultados epidemiológicos melhores, também apresentam custos iguais ou inferiores aos tratamentos tradicionais.

  • 0:30 a 0:45 minutos:

Fala sobre a obrigação médica de oferecer um tratamento rápido e de qualidade. Fim do lado A da fita e apresentação do lado B, agora com o dr. Germano Gerhardt Filho. Comenta que parte dos abandonos ao tratamento acontecem pelo fato de uma melhora relativa no início e a dificuldade de manter o paciente motivado a usar medicação quando ele já se sente bem. O abandono do tratamento é o maior empecilho para a cura da tuberculose e por isso é importante reduzir o tempo de duração do mesmo. Importância da descoberta da rifampicina no tratamento contra a tuberculose, mas que seu preço elevado representa também um empecilho. Na fase de ataque, as medicações rifampicina e isoniazida são as mais importantes para combater as infecções causadas pela tuberculose. Comenta sobre as experiências desenvolvidas em animais, principalmente camundongos, para eliminar a tuberculose, usando os regimes terapêuticos. O médico apresenta um estudo britânico feito na África que mostrou a possibilidade de reduzir expressivamente o tempo de tratamento, utilizando dois modelos de regimes terapêuticos e comparando-os com o regime padrão utilizado no país. O estudo aponta para a redução do tempo de tratamento utilizando uma associação das medicações rifampicina e isoniazida.
0:45 a 1:05 minutos
Fala sobre um estudo francês que utilizou três modalidades de tratamento teste: 9, 6 e 3 meses, com resultados coincidentes com o estudo britânico e mostrando a eficácia da utilização da rifampicina no tratamento; estudos semelhantes foram feitos em outros países. A combinação de medicamentos mostrou que na fase de manutenção da doença, drogas menos ativas têm bons resultados; na fase de ataque, foram administradas drogas mais enérgicas; o uso de medicações menos ativas na fase de manutenção também barateiam o custo do tratamento. Cita resultados na Índia onde o tratamento foi reduzido a 20 semanas, mas as taxas de recaídas são maiores do que os tratamentos de regime de 6 meses. Apresenta resultados animadores de ensaios brasileiros, usando quatro diferentes regimes terapêuticos. O médico afirma que os ensaios de regimes curtos de tratamento têm embasamento teórico e clínico e testes em animais suficientes para serem aplicados, e por isso pode se aceitar hoje uma quimioterapia de seis meses. O fato do tratamento ser reduzido, em apenas seis meses aumenta a operação dos tratamentos contra a tuberculose, pois reduz o tempo de controle dos pacientes e diminui o número de pessoas que abandonam o mesmo. Além disso, com um tratamento reduzido, é possível alocar funcionários para outros programas de saúde uma vez que o tempo de controle aos pacientes é reduzido, o que também reduz os custos finais do programa contra a tuberculose. O uso de esquemas de medicamentos mais potentes faz com que a resistência primária diminua. Reutilização do esquema curto de tratamento no caso de recaídas após 6 a 12 meses de tratamento, sendo possível reaplicar o tratamento e obter êxito. O médico se posiciona a favor da tomada assistida dos medicamentos a fim que esta seja empregada da forma correta, e o tratamento tenha sucesso.

Notação anterior

Pontos de acesso

Ponto de acesso - assunto

Ponto de acesso - local

Ponto de acesso - nome

Pontos de acesso de género

Área de controle da descrição

Identificador da instituição

Regras ou convenções utilizadas

Status da descrição

nível de detalhamento

Integral

Datas de criação, revisão, eliminação

Fontes utilizadas na descrição

Zona da incorporação

Assuntos relacionados

Entidades coletivas, pessoas ou famílias relacionadas

Géneros relacionados

Lugares relacionados