Fundo FR - Fundação Rockefeller (Fundo)

Montagem de três fotografias, duas referentes às fichas nº 3065 Caboclo who sold us a anteater on the Curralinho Canoa 'Canto do Guariba' com o guarda-chefe A. Azevedo e seu "remador" Custódio Sá o qu... Casa 17, Rua nova, Parintis Casa da Rua Nova, Parintins Casa do sítio São Francisco Igarapé do Boto Igarapé do Boto João Batista dos Santos Necrotério Necrotério Necrotério Necrotério Necrotério Necrotério Necrotério Vista externa do necrotério Vista interna do necrotério Vista externa do necrotério Vista externa do necrotério Vista interna do necrotério Vista interna do necrotério Vista interna do necrotério Vista externa do necrotério Vista externa do necrotério Vista interna do necrotério Vista interna do necrotério Vista interna do necrotério Vista interna do necrotério no município de Brejo Santo Necrotério
Resultados 1 a 30 de 1781 Mostrar tudo
Open original objeto digital

Área de identificação

Código de referência

BR RJCOC FR

Título

Fundação Rockefeller (Fundo)

Data(s)

  • 1900-1950 (Produção)

nível de descrição

Fundo

Dimensão e suporte

Documentos iconográficos: 16.754 itens (636 negativos de vidro e 16.118 fotografias)

Área de contextualização

Nome do produtor

(1913-)

História administrativa

A Fundação Rockefeller foi criada em 1913, no contexto da remodelação dos códigos sanitários internacionais vivenciada no início do século XX. Com o objetivo de implantar medidas sanitárias uniformes no continente americano, consolidou-se nessa época uma ampla rede de organizações internacionais, cujo financiamento provinha, em sua maior parte, dos Estados Unidos. Instituição filantrópica e de cunho científico, ela atuou prioritariamente nas áreas de educação, medicina e sanitarismo. Estava associada a um grande grupo industrial e comercial norte-americano, liderado pelo milionário John D. Rockefeller, e priorizou o campo da saúde pública, atuando inicialmente no sul dos Estados Unidos, mas depois estendeu seus métodos de trabalho a outros países que apresentassem necessidade de controle e erradicação de moléstias, tais como ancilostomíase, febre amarela e malária. Por meio da recém-criada Junta Internacional de Saúde e com base em convênios de cooperação com instâncias governamentais federal e estadual em diversos países, teve sua atuação estendida a grande parte da América Latina. Chegou ao Brasil em 1916 e logo entrou em contato com importantes cientistas do país. No entanto, data de 1923 o estabelecimento do seu convênio com o governo brasileiro, que garantiu a cooperação médico-sanitária e educacional para programas de erradicação das endemias, problema grave e caro ao governo, sobretudo em relação às regiões do interior, onde os trabalhos se concentraram no combate à febre amarela e mais tarde à malária. A partir de 1930 intensificou e institucionalizou suas atividades, atuando lado a lado com organismos governamentais, notadamente no combate à febre amarela, doença que acreditavam poder erradicar do país. Esse processo foi simultâneo à sua associação com os serviços constituídos para atuar nesse mesmo cenário – como o Serviço Nacional de Febre Amarela e o Serviço de Malária do Nordeste –, o que concorreu para ampliar o alcance de suas ações, ao mesmo tempo em que propiciou uma troca de experiências e influências entre as instituições brasileiras e a norte-americana. Nesse esforço, mobilizou seu staff em duas grandes áreas de atuação: de um lado, as campanhas de erradicação do mosquito vetor da febre amarela e pesquisas epidemiológicas em campo; de outro, as atividades em laboratório visando aprofundar os conhecimentos sobre a doença e produzir uma vacina eficaz contra ela. A partir de 1940, com laboratório já montado e fabricando a vacina antiamarílica, a Fundação Rockefeller vai paulatinamente transferindo o controle dessas atividades para o já estruturado Serviço Nacional de Febre Amarela, até que, em 1950, retirou-se formalmente do controle dessas atividades, passando a direção do laboratório de pesquisas e de produção da vacina para o IOC.

História arquivística

O arquivo fotográfico é fruto das atividades da Fundação Rockefeller no Brasil, e, embora contendo registros obtidos na década de 1920, apresenta a maior concentração de imagens a partir de 1930, quando ocorre a institucionalização de suas atividades em nível federal. A trajetória das fotografias, desde a incorporação do Laboratório de Febre Amarela pelo IOC até o seu recolhimento ao Departamento de Arquivo e Documentação (DAD), não é completamente conhecida. Porém, os documentos textuais – protocolos, relatórios e fichas epidemiológicas, entre outros registros –, gerados em função da coleção de amostras de fígado e lâminas, permaneceram no Departamento de Patologia do IOC e foram recolhidos ao DAD em 1994. A existência de uma relação mais evidente entre esses documentos ainda não foi estabelecida, o que determinou sua forma de organização como conjuntos distintos: os fundos IOC e Fundação Rockefeller.

Procedência

Laboratório de Febre Amarela do Instituto Oswaldo Cruz.

Área de conteúdo e estrutura

Âmbito e conteúdo

Reúne fotografias referentes às ações empreendidas pela Fundação Rockefeller no Brasil, com ênfase no Rio de Janeiro, Bahia e Ceará e, em menor medida, na América Latina. Registram desde as pesquisas científicas, o processo de fabricação de vacina antiamarílica e os serviços de combate à febre amarela e à malária, até aspectos das regiões do país onde a instituição atuou.

Avaliação, selecção e eliminação

Ingressos adicionais

Sistema de arranjo

Série Serviço de Febre Amarela
Série Serviço de Malária do Nordeste
Série Exposições do Serviço de Febre Amarela e do Serviço de Malária do Nordeste
Série Fotografias Aéreas

Área de condições de acesso e uso

Condições de acesso

Sem restrição.

Condições de reprodução

Sem restrição.

Idioma do material

  • inglês
  • português

Forma de escrita do material

Notas ao idioma e script

Características físicas e requisitos técnicos

Instrumentos de pesquisa

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ. Casa de Oswaldo Cruz. Departamento de Arquivo e
Documentação. Fundo Fundação Rockefeller: catálogo. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2007.

Área de fontes relacionadas

Existência e localização de originais

Existência e localização de cópias

Unidades de descrição relacionadas

Fundo Instituto Oswaldo Cruz
Coleção Fundação Rockefeller
Fundo Leônidas Deane
Fundo Clementino Fraga
Rockefeller Archive Center - Rockefeller Foundation records, Photographs, Brazil, series 305 (Coleções fotográficas). Disponível em https://dimes.rockarch.org/collections/6b9GdMeUjJZ8eVEwsuKCcw?category=collection&limit=40&query=Rockefeller%20Foundation%20records. Acessado em agosto de 2023.

Nota de publicação

LACERDA, Aline Lopes de. A fotografia nos arquivos: a produção de documentos fotográficos da Fundação Rockefeller durante o combate à febre amarela no Brasil. 2008. Tese (Doutorado em História Social) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008. Disponível: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8138/tde-11092008-145559/publico/TESE_ALINE_LOPES_DE_LACERDA.pdf. Acesso em: maio de 2023.

Área de notas

Nota

O Fundo Fundação Rockefeller foi nominado ao Registro Regional do Programa Memória do Mundo em 2022.
Fonte: Arquivo Nacional. Programa Memória do Mundo da UNESCO – MoW. Disponível em http://mow.arquivonacional.gov.br/index.php/acervos-brasileiros/registro-regional/135-acervos-nominados-em-2022.html.html. Acessado em fevereiro de 2023.

Notação anterior

Pontos de acesso

Ponto de acesso - assunto

Ponto de acesso - local

Ponto de acesso - nome

Pontos de acesso de género

Área de controle da descrição

Identificador da instituição

Regras ou convenções utilizadas

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. NOBRADE: norma brasileira de descrição arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2006.

Status da descrição

Final

nível de detalhamento

Integral

Datas de criação, revisão, eliminação

Fontes utilizadas na descrição

Nota do arquivista

Revisão e descrição de itens iconográficos (2023): Natalie Rickli Pimentel.
Digitalização de itens iconográficos - fichas (2023): Márcio de Oliveira Ferreira.

objeto digital (Master) zona de direitos

objeto digital (Referência) zona de direitos

objeto digital (Visualização) zona de direitos

Zona da incorporação

Assuntos relacionados

Entidades coletivas, pessoas ou famílias relacionadas

Géneros relacionados

Lugares relacionados